Justiça fecha centros sociais de políticos em Caxias

Agentes do TRE apreenderam receitas do SUS e medicamentos vencidos

O candidato a deputado estadual pelo PDT Dalmar Lírio de Almeida, o Mazinho, vereador em Duque de Caxias, teve o Centro Social Fábrica de Sonhos fechado ontem por uma operação de fiscalização do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Os agentes da Justiça Eleitoral também interditaram a sede da Associação Pró-Melhoramento do Gramacho, comandada pelo vereador Marcus Vinicius de Moraes, o Boquinha, do mesmo partido de Mazinho e a Associação Cultural Samuel Corrêa, do deputado estadual Samuel Corrêa Junior, o Samuquinha, que está com o registro de candidatura questionado pelo Ministério Público Eleitoral.

Nas instituições comandadas por Mazinho e Boquinha os fiscais apreenderam computadores, receitas do Sistema Único de Saúde (SUS), medicamentos vencidos, três leitos de enfermaria, fichas de cadastro, cadeiras de rodas, muletas e moldes dentários em dois centros sociais. Os centros sociais funcionavam, respectivamente, nos bairros e Santa Cruz, Gramacho e Chacrinha, oferecendo, em troca de votos, aulas de ginástica, cursos profissionalizantes e serviços médicos e odontológicos gratuitos.

De acordo com o TRE, a ação de ontem foi feita a pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE), que mapeou os locais onde a filantropia é praticada para fins políticos-eleitorais. O MPE deverá ajuizar ações por abuso do poder econômico contra os três políticos.

 

Matérias relacionadas:

Esquema de compra de votos já teria começado em Magé

Pobreza sustenta o mercado de compra e venda de votos na Baixada

Comprador de votos reclama de “concorrência desleal” em Japeri

Comentários:

  1. Isto porque o vereador se esquece para que foi eleito: fazer proselitismo financiado indiretamente com dinheiro público é facil, dificil é fazê-lo através da fiscalisação do repasse de verbas, atendimento público nas comunidades, aí sim, para isso ganha o vereador.

  2. Isso que dá o Poder Público ser ausente, seja na prestação de serviços básicos até a fiscalização.
    Se o TRE procurar vai encontrar muitas e muitas irregularidades, desde placas de candidatos sem cnpj e ninguém segurando, até cabos eleitorais já distribuindo cestas básicas, e não é só em Caxias não, Magé também.

Deixe uma resposta para Antonio Paranhos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.