Menino Maluquinho ajuda no resgate da história de Magé

Projeto faz parte do currículo da rede municipal de ensino 

Segundo dizia o historiador e artista plástico Dario Navarro, um pesquisador argentino que dedicou muito do seu tempo a Magé, o município passou muitos anos rendendo homenagens ao fundador errado. Honrava Simão da Mota em vez de Cristovão de Barros, apontado pelos historiadores como o verdadeiro desbravador, o dono dos primeiros passos na direção do que é um dos municípios mais importantes na história do Brasil. Hoje a historia está sendo contada no tamanho da verdade e de forma mais dinâmica e divertida, com os professores da rede municipal de ensino trabalhando a história local nas salas de aula, através do projeto Viajando por Magé com o Menino Maluquinho. Essa proposta possibilita uma maior compreensão, melhora a participação dos estudantes e os conduz na construção dos fatos gerados a partir de 1565.

Na última sexta-feira, por exemplo, as secretarias de Educação, Turismo e a Fundação Educacional e Cultural de Magé deram início a um ciclo periódico de palestras que vão orientar a preparação do material didático específico para ser usado na disciplina ‘História de Magé’ nas salas de aula. “Nossa intenção é construir um material que trate a história de Magé com ênfase na Educação Patrimonial” explica Thiago Souza, diretor da Fundação.

As palestras serão ministradas por profissionais da área, como o diretor de pesquisa do Instituto Estadual do Patrimônio, Sergio Linhares, que fez a primeira.  Segundo a coordenadora do Departamento Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, Marcia Baddini, o encontro da última sexta-feira foi o primeiro de vários que estão programados, inclusive com participação de professores história e geografia. Ela explica que o material didático para a disciplina História de Magé será implementado nas turmas de 4º, 5º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental.

Comentários:

  1. O Daria Navarro sabia da História e foi um grande pesquisador em Magé. Acho que ele amou a nossa cidade mais que a dele.

    Se alguém quiser saber mais sobre essa grande município que já foi até Cabeça de Corte e hoje nem no corpo esta. Talvez um pé de chinelo. Precisamos voltar a História. Primeiro contada nos nossos colégios, depois para o Brasil.

    Se o menino maluquinho divulgar a nossa história, eu ficarei doidão!

    1802 – A Vila de Magé a Cabeça de Corte do Império.

    https://www.youtube.com/watch?v=yoO02CHrgyo

  2. Por favor, qual a fonte que leva a essa troca de Simão da Mora por Cristóvão de Barros ??? José Inaldo Alonso ??? em seu livro Notas para a História de Magé ele não dá a fonte, alegando que manterá segredo sobre a fonte !!!! Obrigado Henrique Luiz

Deixe uma resposta para O HISTORIADOR Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.