Então, tim-tim…

Rio faturou R$ 5,6 milhões este ano com exportação de cachaça e já é o segundo maior exportador do produto no país

O Dia Nacional da Cachaça foi comemorado ontem e o estado do Rio de Janeiro tem motivos para comemorar: este ano o setor faturou com exportações do produto R$ 5,6 milhões, o equivalente a 15% da receita de toda a venda de cachaça para o exterior no país contabilizada em 2014. Além de ser o estado com o maior número de certificações de qualidade da bebida no Brasil, com nove das 33 marcas certificadas pelo Inmetro, o Rio ocupa o segundo lugar nacional em exportação da bebida, mesmo não sendo um dos maiores produtores, ficando na sétima posição no ranking brasileiro em volume de produção, segundo informa o Instituto Brasileiro da Cachaça.

Em todo o estado do Rio de Janeiro existem 65 empresas dedicadas à produção da bebida, sendo o Rio destaque na fabricação da cachaça artesanal de alta qualidade, com essa produção distribuída nas Central e Sul (de Resende a Carmo), Metropolitana e Baixadas Litorâneas, e Norte e Noroeste, com o município de Paraty, no Sul Fluminense sendo o de maior destaque. “A cachaça feita no Rio tem uma particularidade que a torna diferenciada para atender o mercado não só do Brasil, mas também internacional. Temos empresas produtoras em todo o estado, do interior à Região Metropolitana do Rio”, explica a subsecretária de Comércios e Serviços da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Dulce Ângela Procópio.

Em um ano as marcas fluminenses conquistaram mais de 40 premiações de relevância. Em 2013, a Cachaça da Quinta, produzida na cidade de Carmo, na Região Serrana, recebeu o prêmio Grand Gold Medal do Spirits Selection. Realizada pelo Concours Mondial de Bruxelles, a premiação colocou a cachaça, pela primeira vez na história, no topo da lista dos melhores destilados do mundo.  “Os produtores de cachaça do estado do Rio fabricam um produto “top de linha”, possuem muita tradição na produção da bebida e fazem um rigoroso controle de qualidade. Isso faz com que a cachaça fluminense seja reconhecida no Brasil e no exterior como um produto especial e de alto padrão. Por isso, o mercado internacional tem tanto interesse em importar a cachaça fluminense. Também é importante frisar que a bebida é Patrimônio Histórico e Cultural do Rio de Janeiro”, diz a presidente da Associação dos Produtores da Cachaça do Rio de Janeiro (Apacerj), Katia Alves Espírito Santo.

Comentários:

  1. Salve Paraty! Salve a cachaça Coqueiro e a cachaça Maria Izabel, entre outras, tradição e qualidade na alambicagem. A produção de cachaça gera emprego e renda,sendo um importante fator social local.

Deixe uma resposta para Almir Esteves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.