Pressão de vereadores impede convocação de concursados aprovados para cargos na Saúde da Família de Macaé

Membros da bancada de sustentação do prefeito na Câmara querem manter controle sobre unidades do programa Estratégia Saúde da Família

O prefeito de Macaé, Aluizio dos Santos Junior, vai ter de escolher entre a paz na Câmara Municipal, mantendo o apoio da maioria dos vereadores ou cumprir a lei, convocando os aprovados no concurso realizado em 2012 para preencher vagas em cargos de provimento efetivo nas unidades do programa Estratégia Saúde da Família (ESF). A informação foi passada ao elizeupires.com na noite dessa quarta-feira por uma fonte ligada ao governo, dando conta de que o prefeito estaria sendo pressionado a manter nos cargos que deveriam estar sendo ocupados pelos concursados, contratados temporários, a maioria de indicados por vereadores. “Isso é histórico em Macaé. Escolas e postos de atendimento médico sempre foram controlados por vereadores aliados, que indicam diretores e profissionais”, afirmou a fonte.

Essa novela vem se arrastando desde janeiro do ano passado, quando o prefeito disse que só homologaria o resultado final desse concurso depois de apurar denúncias de supostas irregularidades. Uma investigação foi feita, nada foi comprovado e mesmo assim o governo insistiu em protelar a homologação, que só aconteceu depois da interferência do Ministério Público Federal (MPF), que também nada encontrou de irregular no processo seletivo. Publicada a homologação, nada de convocação. Mais um aperto do MPF e elas começaram acontecer, mas nada de posse, muito pelo contrário. Novos contratos foram feitos, inclusive com a Prefeitura empregando profissionais que fizeram o concurso, mas não foram aprovados. O MPF interferiu de novo, mas, ao que parece, a administração municipal está se lixando para isso.

No dia 4 de agosto o prefeito recebeu um novo ofício do Ministério Público Federal (MPF), através do qual o procurador da República Flávio de Carvalho Reis, pediu “informações circunstanciadas” sobre as contratações temporárias feitas para preencher cargos que deveriam estar sendo ocupados por candidatos aprovados no concurso. A idéia seria usar as informações para sustentar uma ação de improbidade administrativa, com pedido de antecipação de tutela para que os temporários sejam substituídos pelos concursados, mas até ontem esse ofício não havia sido respondido e o governo pediu mais um prazo passar as informações ao MPF, alegando que não teve tempo suficiente para coletá-las.

No mês passado o prefeito chegou a recomendar algumas demissões. Isso aconteceu na manhã do dia 17 de setembro, mas à tarde Aluizio voltou atrás e disse que ninguém seria demitido.

Matérias relacionadas:

Macaé não responde ao MPF sobre contratações temporárias

Comentários:

  1. Isso é um absurdo!!!! Indignação total!! Nunca vi tanto descaso e desrespeito com os profissionais concursados!! Estou aguardando a convocação pois é meu direito e ainda sou obrigada a aceitar um absurdo desse!! Com certeza esse prefeito não sabe o que é esperar por uma conquista e uma chance de dias melhores! Espero que o MP continue cobrando por nós e espero que a justiça seja feita de uma forma ou de outra!

  2. Ele não chamou também os concursados de 2011 onde foram ofertadas vagas para todos os cargos, fiz para Agente de Trânsito e até hoje não fui convocado, sabendo-se que existem cerca de 90 Guardas Municipais desviados de função ocupando essas vagas, já fiz várias denuncias ao MP e até agora nada, é uma total falta de respeito com os concursados, esse cara está acabado Politicamente.

  3. Fico revoltada com esse governo. Perdeu meu voto também.Chega de contratação.Queremos convocação já. Vou entrar em contato com a rede record e com a Intertv. Há um boato na prefeitura que a renovação dos contratos saíra essa semana nos jornais.

Deixe uma resposta para maria Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.