Vereadores na contramão em Casimiro de Abreu

Bruno sugere cortar os carros que servem a pacientes crônicos e Kinha defende o fechamento de postos de saúde

Um quer cortar os carros que transportam pacientes para tratamento de hemodiálise e quimioterapia e outro defende o fechamento de postos de saúde

Uma audiência para debater a antecipação de créditos dos royalties do petróleo para ajudar o município de Casimiro de Abreu a enfrentar a crise que reduziu a receita total do município em cerca de 60%, foi marcada pela sugestão de medidas que afetam os que mais precisam: pacientes que têm de sair da cidade para serem submetidos a sessões de homodiálise e quimioterapia e o grande universo populacional que busca socorro médico nos postos do programa Unidade Básica de Saúde (UBS). É que os vereadores Bruno Miranda e Aldair Abreu de Souza, o Kinha, defenderam, respectivamente, o corte na locação dos veículos que fazem o transporte dos pacientes e o fechamento de postos de saúde como medidas de economia. “Em Barra de São João tem três UBS. Abre só uma e onde tiver duas que feche uma”, disse Kinha, que já se apresenta como candidato a vice-prefeito numa eventual chapa encabeçada pelo ex-prefeito Paulo Dames.

Durante a audiência o prefeito Antonio Marcos Lemos explicou porque enviou uma mensagem à Câmara de Vereadores pedindo autorização para fazer a antecipação dos créditos e em resposta ao vereador Bruno Miranda, que pedira o corte do contratato dos carros que atendem aos pacientes que fazem tratamento fora do município, afirmou ter assumido o governo, em janeiro de 2009 com apenas R$ 300 mil em caixa e encerrou o mandato em 2012 com R$ 80 milhões nas contas.”Sobre o corte no contrato sugiro que o vereador pergunte aos pacientes que fazem sessões de hemodiálise e quimioterapia fora da cidade se pode cortar. Se eles disserem que sim eu corto”, disse Antonio Marcos, que promoveu audiências públicas em todos os distritos, nas quais os moradores receberam informações sobre o projeto que pede a antecipação de royalties.

De acordo com o prefeito, essa é última decisão que ele tomaria para amenizar a crise financeira, mas não há como evitar. “Já tomamos inúmeras medidas para conter os efeitos da crise, mas não foram ainda suficientes para equilibramos todas as contas. O objetivo é com este recurso manter os investimentos essenciais para a população, evitando que o município entre em déficit financeiro. Entendemos que precisamos pensar no presente para projetarmos o futuro”, afirmou Antônio Marcos.

Nos encontros os moradores foram ouvidos e puderam opinar. Em Casimiro, a Audiência Pública aconteceu na sede da Secretaria de Educação. “A população precisa dos benefícios que até agora estão sendo proporcionados pelo poder público. Sou a favor da antecipação para a continuação dos investimentos e das obras que precisamos”, disse a moradora do bairro Mataruna, Elizete Porto da Silva. A mesma opinião tem Sandra Cabral Paes, moradora da localidade de Professor Souza. “Esta foi uma boa iniciativa, pois, escutamos muitos boatos e só assim pudemos saber melhor a real situação do município”, disse ela.

Segundo o prefeito, as perdas este ano chegam ao total de R$ 77 milhões e o equilíbrio será consumado com a economia gerada pelas medidas já tomadas e com a antecipação de R$ 40 milhões. “A Agência Nacional do Petróleo autorizou o município pegar R$ 118 milhões, tomando por base a diferença entre a arrecadação de 2013/ 2014 e a de 2015/2016, mas vamos antecipar apenas o necessário para equilibrar as receitas, R$ 40 milhões”, completou o prefeito, explicando que o valor antecipado será pago pelo município utilizando, no máximo, 10% da arrecadação anual dos royalties nos próximos anos.

De acordo com resolução do Senado Federal, o pedido de antecipação depende primeiro da aprovação pela Câmara de Vereadores, que, segundo o presidente da Casa, Alessandro Macabu de Araújo, o pezão, deverá acontecer na sessão da próxima segunda-feira.

Comentários:

  1. Como eles não usam nem um , nem outro, beleza! Pode fazer!!!! Por isso, o povo devia decidir que: para entrar na política, devia-se ter nível superior em ciências públicas pela universidade pública. E a partir de vereador, devia-se ter especializações como pós-graduaçnao para prefeito, mestrado para deputado e doutorado para presidente. Além de outros cursos adicionais como economia internacional, relações públicas e etc. Aí sim, eles poderiam ganhar o que ganham e usufruir de todos os benefícios.

  2. Esse Kinha nunca leu um livro na vida, não lê jornais, aliás, nem sei sabe ler. Já esse Bruno, junto com o Rafel Jardim, é garoto de recado do Paulo Dames, o coroné de Casimiro de Abreu.

Deixe uma resposta para Felipe Viana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.