Despesas de 2014 somem do sistema de Guapimirim

Marcos Aurélio teve problemas com a Justiça por causa de gastos com recursos do Fundo Municipal de Saúde

Só com uma empresa amiga o município gastou mais de R$ 6.3 milhões naquele ano

Além dos valores pagos às organizações sociais Casa Espírita Teslloo e Obra Social São João Batista, que podem ter passado de R$ 100 milhões, mas não são mostrados de jeito nenhum, todas as despesas com fornecedores e prestadores de serviços pagas durante o exercício de 2014 desapareceram do site oficial da Prefeitura de Guapimirim. Quem tem buscado informações nos últimos dias não encontrou nenhum valor pago em 2014 nem os nomes dos credores. O portal tem sido retirado do ar com frequência e da última vez que isso aconteceu ficou cerca de 20 dias sem poder ser acessado e quando voltou a funcionar entrou sem as despesas de 2014, passando do exercício de 2013 direto para 2015. Coincidentemente foi em 2014 que se deram os pagamentos com recursos do Fundo Municipal de Saúde denunciados ao Ministério Público e que resultaram na queda do secretário de Saúde Eliel Ramos e no afastamento, por alguns dias, do prefeito Marcos Aurélio Dias, através de uma ação de improbidade administrativa movida pelo MP. Em 2014 a empresa que mais faturou em Guapimirim foi a Carioca Medicamentos, que naquele ano recebeu mais de R$ 6.3 milhões. 

A Carioca começou a operar em Guapimirim na gestão do prefeito Renato da Costa Mello Junior, o Junior do Posto e recebeu mais de R$ 16 milhões na administração de Marcos Aurélio Dias. A Carioca é controlada pelo mesmo grupo da Kademed, que também fornecia para a Secretaria Municipal de Saúde. Em 2015 a Carioca foi a única empresa a receber a totalidade da dívida, enquanto muitos fornecedores e prestadores de serviços ainda estão esperando pelo pagamento de créditos referentes ao exercício do ano passado devidos pela Prefeitura.

De acordo com informações do próprio governo, a Carioca e a Kademed perderam o interesse por Guapimirim assim que os repasses federais começaram a ser reduzidos. As duas empresas, que são fornecedoras de medicamentos e materiais de consumo, teriam sido indicadas por um lobista amigo de Junior do Posto, conhecido na cidade apenas como Ramom, mas tiveram na gestão de Marcos Aurélio o melhor momento.

Em 2015, entre janeiro e maio o grupo recebeu o total de R$ 3.614.186,11, Os recebimentos nos anos anteriores somaram R$ 2.669.846,34 em 2012, R$ 4.346.729,13 em 2013 e R$ 6.336.508,31 em 2014, ano sobre qual o sistema da Prefeitura está mostrando hoje apenas um relatório com base na Lei de Responsabilidade Fiscal, mas este não ajuda em nada o controle social.

Comentários:

  1. Guapimirim está jogada às traças. Na educação também nada funciona! Até hoje estamos esperando o uniforme, material escolar e merenda em dia. Tem escolas que não tem nada para comer no café da manhã! Para os professores falta todo tipo de material para trabalhar. Enquanto isso, nos cobram um monte de tarefas para aumentar o IDEB do município. Uma educação baseada em mentiras!

  2. Para comentar essa ou qualquer matéria não é necessário atacar a honra e fazer acusações sem provas. Somos um espaço jornalístico e não um fake de rede social. Temos responsabilidade pelo que veiculamos.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.