Contrato com a Multiprof complica Quaquá

Prefeito de Maricá já responde a vários inquéritos

Já apontado como o prefeito mais investigado e processado da história do município de Maricá, o petista Washington Luiz Cardoso Siqueira, Washington Quaquá, vai ter de explicar agora um contrato firmado sem licitação com a Multiprof – Cooperativa Multiprofissional de Serviços, em 2011, com a finalidade de fornecer mão de obra para a Secretaria de Saúde. De acordo com as denúncias que agora serão investigadas, o contrato de seis meses, no valor de R$ 3 milhões, teria servido para dar emprego a apadrinhados políticos de vereadores da bancada de sustentação do prefeito.

Segundo as denúncias, o contrato coincidiu com um momento de crise entre o prefeito e a Câmara de Vereadores, que em algumas situações chegou a discutir o impeachment de Quaquá, mas isso nunca chegou a ser votado em plenário. Por conta desse contrato o prefeito foi multado em R$ 7.219,80 pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que constatou irregularidades no processo administrativo, mas o caso agora deverá resultar em mais uma ação de improbidade administrativa contra o prefeito.

A Multiprof atua em vários municípios fluminenses e o escândalo mais recente envolvendo essa cooperativa, foi verificado no ano passado em Silva Jardim, tendo resultado numa operação da Polícia Federal na residência do então prefeito, Marcelo Cabreira Xavier, o Marcelo Zelão (PT) e em casa de alguns vereadores.

Comentários:

  1. Parece que onde um petista passa não nasce mais grama. Esse tal de Quaquá acabou com a nossa cidade, mergulhou nossa Maricá num mar de escândalos tenebrosos.

  2. Esse Quaquá, de pato não tem nada. Pato foi quem acreditou em sua propostas e votou nele. Essa justiça lenta de nosso Brasil favorece, e muito, políticos como esse, que terminam cumprindo o mandato, ainda que em meio a todo tipo de irregularidades – leia-se corrupção – . Depois que deixam o governo Inês já é morta.. Deveria ser afastado preventivamente, da mesma forma que pessoas são presas preventivamente para não atrapalhar as investigações sobre seu delito. Ai dava para moralizar um pouco. Mas não: é preciso processo “transitado em julgado” e eles deitam e rolam.

  3. A questão não é o Partido e sim a Pessoa e essa figura chamada de Guaguá nunca deveria ser candidato quanto mais ser reeleito e o pior vocês não sabem está colocando a maquina Pública para eleger sua esposa a tal Zeidam. É só dar um voltinha para o Rio e Grande Rio e vê as revista de super produção que é públicada já para uma pre campanha. Essa corja tem que ser expulsa do PT

Deixe uma resposta para Geraldo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.