PM a serviço da CRT em Magé

Operação seria para evitar que caminhões desviem do pedágio através de Piabetá

Como se não bastassem as três praças de cobrança de pedágio que ilham o município de Magé, fazendo com que os moradores paguem para circular até mesmo entre bairros da cidade, a Concessionária Rio Teresópolis (CRT), agora estaria sendo ajudada por policiais do 34º Batalhão da Polícia Militar. Hoje pela manhã, entre 5h e 06h30, agentes dessa unidade faziam uma “operação” no início da entrada principal de Piabetá, em Bongaba, mas o objetivo, segundo motoristas relataram ao elizeupires.com, era evitar que caminhões desviassem da praça principal de cobrança, entrando por Piabetá.

Essa não é a primeira vez que policiais militares pro- cedem dessa maneira. Isso já ocorreu com outros comandos e hoje voltou a repetir. “Eles ficam sempre no mesmo ponto. Uma viatura fica parada na entrada da rua que dá acesso ao cemitério e outra no acesso ao bairro Parque Paranhos. Dizem que é operação de rotina, mas estão ali é para inibir os caminhoneiros. Eu pensei que a polícia existisse para cuidar da segurança pública e não para defender os interesses de uma concessionária que fatura alto e não dá nenhum retorno à população”, relatou agora a pouco um comerciante da localidade em e-mail ao elizeupires.com.

A polícia que parece mais preocupada em evitar que motoristas evitem o pedágio exorbitante cobrado pela CRT, é a mesma que vem perdendo o jogo para a bandidagem que infesta os bairros periféricos da cidade. Criminosos que deixaram as favelas do Rio por conta das UPPs, estão espalhados por vários bairros de Magé, aterrorizando a população. “O número de assaltos aumentou bastante. Magé virou uma cidade muito perigosa, mas a CRT deve ser mais importante que a população”, completou o comerciante.

Matéria relacionada:

Magé, uma cidade sitiada pelo crime 

Comentários:

  1. Concordo que deva ter alguém na Estrada de Bongaba, e até na Estrada da Conceição em Suruí, pois vários veículos de outros municípios estão furando o Pedágio. Não estou defendendo a CRT. Estou defendendo é o calçamento que não vai suportar, principalmente na Estrada da Conceição.

    Em vez de ocupar a polícia, que deveria fazer outro serviço, a Guarda Municipal é que deveria fazer esse trabalho.

    O povo de Magé tem o direito de ir e vir, por isso sou a favor da passagem livre para veículos com Placa de Magé, cito carros de passeios, motos, ônibus, caminhões, Cavalo, Jegue, etc. “Magé livre de Pedágios, somente para os seus moradores”.

    1. Você está confundindo as bolas. A matéria não fala de pedágio livre ou não. Está falando da arbitrariedade. As ruas e estradas de Magé não são só para os mageenses e nem a Policia Militar nem a Guarda Municipal pode impedir que alguém passe por elas. Será que a Constituição em Magé é diferente?

  2. Bom dia, Elizeu. De vez em quando essa arbitrariedade é cometida também pela Guarda Municipal. O direito de ir e vir é garantido pela Constituição Federal. Em Magé não pode ser diferente.

  3. Pois é gente, nem a PM, nem a GM, nem o Papa, ninguém tem direito de impedir o ir e vir de quem quer que seja. Isto é crime. O problema é que esta história da CRT é bem mais complicada do que parece. Ficam as seguintes perguntas:

    – Porque o desvio não é pavimentado e mantido decentemente?
    – Porque a prefeitura a bem pouco tempo, recebia asfalto da CRT?
    – A prefeitura ainda recebe asfalto da CRT?
    – A CRT está em dia com o pagamento de impostos municipais?
    – Qual a identificação do PMs que estavam nesta “operação”?

    Com a palavra, o Sr. Nestor Vidal e o Sr. Comandante do 34º Batalhão de Polícia Militar.

    E O Observador, reveja a sua linha de pensamento meu amigo. Você está equivocado.

  4. A PM tem é que enfrentar a bandidagem que está tomando bairros inteiros de Magé. Vai fazer operação na Lagoa, no Mundo Novo, em Nova Marilia. Cai pra dentro dos bandidos que estão botando pra quebrar em Piabetá. Ficar perturbando motorista e encher o saco do trabalhador é mole demais.

  5. Bom dia,
    gostaria que a PM e GM fossem eficientes no combate aos bandidos que estão infestando nosso
    município, está certo em fiscalizar o transito agora ficar fazendo caça níquel e ficar fazendo serviço
    para a CRT pois é oque está acontecendo a PM de Magé deve esta recebendo uma ajuda de custo
    para beneficiar a CRT e ainda levar mais uns trocados por fora , sabe quando isto vai ser resolvido
    quando o povo se revoltar literalmente e fazer igual fizeram no Parana quebraram a praça do pedágio
    inteirinha ai eles vão ver a força do povo

    1. O que você faria Geraldo? Ficaria vendo os estragos e depois falaria que o prefeito não faz nada ou tomaria outra decisão. Magé tem várias ruas que precisam ser pavimentada e ainda temos que cuidar dessas que são danificadas por veículos que tentam furar do Pedágio, não por não quererem pagar, mas pelo excesso de peso. Magé é o município mais antigo da Baixada Fluminense e precisa ter lei para protegê-lo.
      O assunto central aqui é Polícia, mas tem desdobramento com o fluxo de veículos dentro do nosso município.

      1. Resumindo. Se a ilegalidade favorecer Magé de algum modo pode? Se for assim vocês são realmente estranhos como muitos aqui em Niterói costumam dizer. As vias públicas são públicas e o direito de por elas passarmos não nos é dado por nenhum mageense ou autoridade, mas sim pela constituição. Se não querem que ninguém de fora passe por aí, isolem-se de vez, construam um muro e sejam o centro desse pequeno e pobre universo.

        1. O que diz a Constituição. Você tem o direito de ir e vir, mas adequadamente. Veículos com excesso de peso tem que pagar tributo para passar dentro do nosso município. Vamos colocar balança nesses pontos e vamos pesar esses caminhões. Ninguém esta proibindo os caminhões de passar. Vamos cobrar também do excesso de peso. Ai estaremos cumprindo a Constituição, ou não?
          A diferença de Niterói para Magé, foi que em 1894, Niterói foi bombardeado pelas forças de Almirante Custódio de Mello, mas o seu povo foi defendido pelo exército. Em Magé foi ao contrário. O Exercito de Floriando, roubou, estuprou e degolou o nosso povo.

      2. Aí você quer mudar a Constituição para isso. Magé é o mais antigo município da região e o mais atrasado também. Sabe por que? Por pensarem apenas no próprio umbigo, se achando alto sustentáveis. Não se vive de história. O passado é passado e o futuro é sustentado por progresso.

  6. Vocês se lembram de como eram essa Rodovia antes do Pedágio? O Pedágio do Governo era só de subida. Privatizou e fizeram em dois sentidos. Quase tivermos outro Pedágio entrada do Washington Luiz, que Zito interviu. Já pensou, vindo do Rio e pagar 2 pedágios para chegar à Magé? Em cada entrada de Magé deveria ter uma Patrulha da PM. Agora dizer que eles estão trabalhando para a CRT, prá mim, é julgamento. A reportagem foi bem clara, mas não vou julgar. O Observador foi criticado, mas no fundo tem razão. As nossas estradas não foram feitas para aguentar um fluxo de veículos pesado. Realmente tenho dúvidas! O que é bom para Magé? Temos que avaliar. Essa Estrada da Conceição fica próxima a um rio e as casas são coladinhas à rua. Crianças para todos os lados. Atropelamento na certa. Muitos Mageense vão sofrer. O Caetano Veloso na época da Ditadura, falou: “É PROIBIDO PROIBIR”. Hoje ele proibiu de alguém fazer um livro sobre a sua vida.

  7. Na lei do Petróleo, o município onde se retira o material ganha mais. A distribuição e feita também para os municípios onde passam os dutos.

    Na lei do Pedágio, devem ser assim, onde estão às praças de pedágios, tem-se um percentual maior.

    Se nós concordamos com veículos furando o pedágio, estamos concordando com a evasão de divisas. O município esta sendo lesado e pior ainda tem que reparar as estradas.

    O que temos que lutar é que essas divisas sejam cobradas da CRT e aplicadas no município para melhorar o bem estar de seu povo.

    Quando mais se arrecada, mas se ganha. Só que tem um detalhe, os Mageenses não precisam entrar nesse rateio. Passagem Livre.

      1. Já pensou, que legal! A cidade cercada de pedágios e dentro dela, um montão de caminhão, carros de passeio, carroça, motos. Também não gosto não! O que quero é isenção de pedágio para os Mageenses. Esses caminhões que se lixem e a CRT também. Na verdade, o óleo diesel, quem dá é algumas empresas, mas o pedágio, quem tem que pagar o é o motorista. Eles para não tirarem o dinheiro do bolso, querem um buraco para entrar. Tudo bem, cada um entra onde deixam.

  8. Prezados O Historiador e O Observador, vocês estão com linhas de pensamento totalmente equivocadas. Se as estradas e ruas do município não suportam o tráfego que estão recebendo, a culpa é de quem as mantem ou deveria manter e não, dos veículos que trafegam por elas. Privar alguém de ir ou vir é crime. Neste caso amigos, me digam, o que o Nestor Vidal esta fazendo nada a respeito?

    1. Vicinal, ou em algumas localidades ramal, é a designação dada em certas regiões do Brasil a estradas de caráter secundário, na maioria das vezes municipais. Com essa xaropada toda, digo que você quer que o Nestor que pegou a Prefeitura, faça estrada para Carretas trafegarem e deixem de pagar pedágios. Tem hora, que acho que vocês que participam desse blog do assunto de Magé são de Caxias ou Teresópolis. Parabéns ao Observador que vê as coisas e ao Historiador que conhece o final desse filme. O nome do filme é “A Estrada Esburacada”.

      1. Prezado Marizia, não acredite em tudo o que está escrito no Wikipédia. Procure a definição de estrada vicinal no Manual de Diretrizes Básicas para Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários do DNIT e verás que, uma estrada não é intransitável ou indevida para determinados tipos de tráfego só por ser vicinal. A estrada da qual estamos falando, além de servir também a toda a população de Magé e não só ao tráfego de caminhões e de carretas, já deveria estar a muito tempo preparada para tal tráfego, o problema, é que ninguém teve até agora, peito para enfrentar a CRT. Não é uma obra cara e nem impossível de ser feita.

        Quanto aos amigos de blog O Historiador e O Observador, divergi com toda a educação e respeito possível da opinião deles e tenho certeza de que eles podem até não ter aceito, mas assim como eu, respeitaram a minha também.

        E quanto a ser de Caxias ou de Teresópolis, sou mageense com muito orgulho e prezo pelo ir e vir de todos. Fique com Deus.

        1. Ki, Ki. Quem me Dera! Apenas tenho uma casa na Estrada da Conceição. E quanto essas carretas passam, até o copo de água dança na mesa. Estou apenas defendendo o meu lado. Se continuarem essas carretas passando por aqui, para não pagar o Pedágio, vou ter que morar dentro do Rio. O Nestor tem advogados bons, não precisa de um sujeito que mora no Beira Rio. Acho até que eles depois de lerem esse blog, vão querer derrubar a minha casa. Essa é a minha casa minha vida. Tô Ferrado! Você tá defendendo é porque não mora aqui. É por isso que me chamam de Marizia. É porque moro quase dentro do Rio. Alguém já me falou: “Um dia a Casa cai”. E vai mesmo.

          1. Marizia, o assunto aqui não se trata de defender A ou B, se trata de legalidade e de ilegalidade, de competência e incompetência, de respeito e descaso e de covardia e coragem. Ninguém pode impedir o ir e vir de ninguém, a CRT não pode ilhar um município inteiro e a estrada já era para estar preparada para este tráfego a muito tempo.

            Se a estrada estivesse preparada, tenho certeza de que seus problemas seriam menores e eles seriam zero, se a CRT não tivesse nos ilhado e se tivéssemos governantes realmente interessados no bem estar do mageense.

            Boa sorte meu amigo.

  9. Quem pode afirmar que os caminhões que saem da Rio-Teresópolis e entram para Piabetá estão com a carga acima do limite? A balança fica antes dessa entrada e logo que chega a ela já passou pela balança. É só raciocinar antes de escreverem besteiras. É ilegal impedir o acesso. Isso só não entende quem não quer.

    1. Concordo com o Jamil, foi um detalhe que deixei de observar. Valeu Jamil. Estão vamos deixar os caminhões entrarem a vontade em Bongaba. Só ficou a questão da estrada da Conceição.

Deixe uma resposta para Joanir Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.