Ministério Público do Rio também tem sua `caixa-preta´

Gastou cerca de R$ 900 milhões está sendo questionado pelo CNMP

O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MPRJ), o mesmo que cobra mais austeridade e transpa- rência nos gastos públicos com pessoal quando estes são feitos pelos poderes Executivo e Legislativo, é o mesmo que falta com essa mesma transparência quando se trata de pagamentos feitos em favor de seus membros. Pelo menos é isso que sugere um relatório concluído em agosto pelo Conselho Nacional do Ministério Público, que aponta que o MPRJ comprometeu, nos últimos anos, cerca de R$ 900 mi- lhões para pagar gratificações, sem, entretanto, apresentar documentos mostrando quem recebeu o quê e quanto.

De acordo com o relatório, o CNMP põe sobre suspei- ta rendimentos acima do teto fixado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para servidores públicos e benefícios – como au- xílio locomoção, alimentação, saúde, moradia, educação e pré-escolar – pagos a parte do contracheque. Segundo o rela- tório, também foram feitos pagamentos de abonos e cor- reções monetárias retroativas.

Segundo o CNMP, no ano de 2008 foram gastos R$ 401,7 milhões para pagar o que o MPRJ classificou como “parcela autônoma de equivalência”, o que foi feito sem detalhar os motivos dos pagamentos. Nesse mesmo ano, apontou o Conselho, mais R$ 143,7 milhões foram usados em pagamentos feitos “sem qualquer parecer jurídico”. Ainda de acordo com o relatório, em 2010 o MPRJ gastou R$ 345,4 milhões com “pagamento de juros e correção monetária de abonos referentes a 1998 e 2000” e nesse processo, aponta o CNMP, não tem planilha de quem recebeu nem as razões do pagamento.

Os números dos gastos nada transparentes feitos pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, vazaram para o jornalista Lauro Jardim, da revista Veja, de circulação semanal.

 

 

 

Comentários:

  1. Esta matéria do elizeu.com deixa claro que nem o MP escapa das teias da corrupção e é por essas e outras que os aprovados no VI Concurso de Rio das Ostras estão desconfiados que tem coisa no TAC firmado entre o núcleo Macaé do MP e a prefeitura daquela cidade, leia-se Sabino Malvadeza. Por isso que as denúncias sobre a Ilegalidade deste ato foram encaminhadas ao CNMP, após passarem pela Corregedoria. A verdade há de aparecer cedo ou tarde, mas Sabino conta com a morosidade da justiça para continuar mantendo seus apadrinhados nas vagas dos aprovados no VI Concurso. Em RO ele considera-se acima do bem e do mal. Vamos ver até quando. Em se confirmando as denúncias desta matéria, o Brasil encontra-se numa encruzilhada ética e moral e tem que escolher um caminho, que não pode ser outro se não o da moralidade.

Deixe uma resposta para Judite Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.