Sobre o concurso Magé 2004

O processo seletivo realizado em Magé na gestão da prefeita Narriman Zito é um assunto morto e enterrado. Baseado em edital que mais parece um “jogo dos sete erros”, esse concurso não tinha a menor condição de ser sustentado juridicamente e teve, acertadamente, o seu resultado final anulado pela prefeita Núbia Cozzolino. Por que toco nesse “defunto” agora? É porque muitos ainda o choram e me atulham a caixa postal com todas as besteiras possíveis. “Se fulano quisesse poderia validar o concurso e chamar todos os aprovados…” Poderia não, gente. Esse concurso acabou, está enterrado. Aliás, já nasceu morto, tantas são as irregularidades encontradas. Outros dizem que a Justiça mandou validar o concurso e a decisão judicial não foi cumprida. Mentira. Isso nunca aconteceu. Agora é olhar para frente, pensar no futuro e se preparar para um próximo certame. O de 2004 já era e, a bem da verdade, nunca era para ter sido. Abraços a todos e fiquem com Deus.

 

Comentários:

  1. Magé ainda tem prefeito? Porque nós moradores de Raiz da Serra estamos abandonados além de estarmos sem ponte, a estrada alternativa que virou fixa está caindo, nós moradores vamos chamar o RJ Movel, pois isso é serviço da Prefeitura

  2. Passei no de 2004 e neste atual e já estou trabalhando. O negócio é que no Brasil nada funciona. Por que não viram o erro antes? Gastei tempo estudando e dinheiro. Eu não entendo de lei e lutei para que fosse revalidado e tem gente que fala de uma forma que o culpado fosse quem fez o concurso. Eu fiz a minha parte, paguei, estudei e passei nos dois e estou trabalhando. No Brasil nada funciona, este não é primeiro e não sera o último. Desculpe meu jeito falar.
    P.S.: Quem organizou o concurso na época foi a FESP, uma instituição renomada, que fez esta porcaria de edital.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.