Confirmado: decisão do TJ manda Prefeitura de Rio das Ostras suspender novo concurso e validar o certame de 2012

A decisão judicial é bem clara, ao contrário do que a Prefeitura quis fazer crer

Publicado pelo Tribunal de Justiça no final da tarde desta sexta-feira (28), o acórdão da decisão que tornou inválido o Decreto nº 762/2013 baixado pelo então prefeito Alcebíades Sabino para anular o  VI Concurso Público de Rio das Ostras, realizado 2012, confirma a informação dada na matéria Rio das Ostras: TJ valida concurso de 2012 e anula o realizado este ano, veiculada no dia 18 deste mês pelo elizeupires.com, contestada pela Prefeitura em nota oficial.

A decisão tomada pela maioria dos desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça no último dia 18, ao contrário do que a administração municipal quis fazer crer em sua nota, é ainda muito mais ampla, pois, além do decreto de Sabino – que prejudicou os cerca de 3.500 candidatos aprovados no concurso de 2012 -, anula também o Termo de Ajuste de Conduta firmado pelo então prefeito com o Ministério Público.

“… Deve ser reconhecida a nulidade da decisão administrativa de anulação do VI Concurso Público de Rio das Ostras e, por consequência, do Decreto Municipal nº 762/2013 e do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)”, diz um trecho do acórdão, prosseguindo com o provimento do recurso para declarar que o município deve “dar prosseguimento (ao concurso de 2012), em suas etapas restantes, sendo que, por via de consequência, deverá a mesma municipalidade suspender o novo certame que inaugurou, sob pena de causar prejuízos aos candidatos desse novo concurso”,

Documento relacionado:

Decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Comentários:

  1. A pergunta que não quer calar é: o que move a prefeitura em recorrer de um direito reconhecido pela justiça? Já não basta a angústia por anos de esperar pelo reconhecimento da Legalidade do VI Concurso? Será que sabem que lidam com seres humanos que têm famílias e que não podem ser penalizados por questões políticas? Respeitem os aprovados e acabem com esse imbróglio.

Deixe uma resposta para LENY Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.