Pressão por compras em fornecedores indicados teria sido responsável pela saída de secretária de Saúde em Magé

Elizeu Pires

Cerca de duas semanas após a saída de Pâmela Roberta Ferreira da Silva do comando da Secretaria de Saúde de Magé o boletim oficial do município publicou duas homologações de dispensa de licitação que somam mais de R$ 3,2 milhões, e pelo menos uma delas teria muito a ver com a entrega do cargo. Uma fonte revela que a então secretária estaria sofrendo pressão em favor de fornecedores de insumos e equipamentos para a rede saúde, de gente que queria que uma determinada empresa, possivelmente sediada em Duque de Caxias, ganhasse uma dispensa de licitação para a compra de respiradores eletrônicos,  que só foi homologada após a saída de Pamela.

De acordo com a fonte, embora a Prefeitura tivesse recebido proposta de um fornecedor com condições para o fornecimento de 10 respiradores por até R$ 60 mil cada um, tinha gente querendo que o município comprasse os equipamentos de outra empresa, a preço superior, coisa de R$ 95 mil por respirador. O pé firme da então secretária pode ter evitado prejuízo aos cofres públicos. Retardou um pouco a aquisição, mas o martelo foi batido mesmo é por um influente membro do governo, que determinou que a compra fosse feita junto à empresa que oferecesse o menor preço, condição aliada a capacidade de entrega, o que foi fechado no dia 30 de abril, uma semana depois da saída de Pamela, ocorrendo como ela defendia.

Sem transparência – As duas dispensas de licitação foram homologadas nos dias 19 e 30 de abril. A primeira, no valor global de R$ 2.295.434,64, foi feita com a empresa Diagóstica Sudeste Serviços Laboratoriais, tendo como objeto o fornecimento de reagentes para realização de exames laboratoriais. Essa é a Dispensa Emergencial 001/2021, assinada por Pamela no dia 19 de abril, mas como a gestão do prefeito Renato Cozzolino Harb não prima pela transparência, o cidadão que paga as faturas jamais ficará sabendo pelo que realmente está pagando.

Embora a mesma falta de transparência tenha prevalecido em relação a compra dos tais reagentes para exames laboratoriais, graças às informações da fonte do elizeupires.com, o contribuinte mageense ficará sabendo do preço unitário dos aparelhos comprados através da Dispensa Emergencial 002/2021, firmada com a empresa Sheridan Rio Comércio e Serviços, no total de R$ 986 mil, pois a administração municipal não informa nada.

De acordo com a fonte, entre os itens a serem fornecidos pela Sheridan estão 10 respiradores ao preço unitário de R$ 59.900, 10 monitores por R$ 19.900 a unidade e 10 bombas de infusão, ao custo de R$ 10.900 cada um.

*O espaço está aberto para manifestação da Prefeitura de Magé.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.