Esvaziado pelo prefeito, Conselho Municipal de Assistência Social é fechado em Casimiro de Abreu

● Elizeu Pires

“Ramon tem decepcionado os que apostaram nele”, reclamam algumas lideranças locais

Embora esteja há pouco mais de oito meses no cargo, o prefeito de Casimiro de Abreu, Ramon Gidalte, já vem acumulando queixas e decepções. Pessoas que apostaram em dias melhores para os moradores dessa pequena cidade do interior do estado do Rio de Janeiro, dizem hoje que para ser considerada ruim a gestão dele “precisa melhorar muito”.

Na semana passada, por exemplo, um órgão fiscalizador de grande importância para o município deixou de funcionar por ter sido esvaziado pelo prefeito. Trata-se do Conselho Municipal de Assistência Social, da Criança e do Adolescente, cujo fechamento foi comunicado por seu presidente, Gerson Vieira Lima, por falta de condições de trabalho.

De acordo com o comunicado, o governo transferiu a servidora que estava na função de secretária executiva na Secretaria Municipal de Assistência Social, funcionária que atendia ao conselho, e não a substituiu.

O fechamento já foi levado ao conhecimento do Ministério Público, e o prefeito ainda não se pronunciou sobre o assunto, como também não tomou providências para  garantir o funcionamento do conselho.

*O espaço está aberto para manifestação da Prefeitura de Casimiro de Abreu.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.