No radar das autoridades, empresa de medicamentos já recebeu mais de R$ 10 milhões da Prefeitura de Magé este ano

● Elizeu Pires

Como as atas de registros de preços não estão disponíveis para consulta do cidadão interessado em fazer o controle social lhe garantido por lei, não dá para saber quais remédios ou produtos correlatos a Carioca Medicamentos e Material Médico vem fornecendo à Secretaria de Saúde de Magé, muito menos a quantidade e o valor unitário de cada item, mas o fato é que a empresa – que é citada em investigações do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro – já recebeu dos cofres da municipalidade este ano R$ 10,7 milhões, soma de valores empenhados entre 19 de fevereiro e 22 de julho.

Registrada atualmente em nome do morador de uma casa humilde de um bairro carente em São Gonçalo – visto pelas autoridades sob a ótica da suspeita de ser apenas como um laranja –, a empresa teve homologadas a seu favor este ano em Magé duas licitações realizadas no final de 2020, uma soma de R$ 26,1 milhões, e a Carioca foi denunciada por irregularidades em contratações junto governo estadual, nas emergenciais feitas pela Secretaria de Saúde para o enfrentamento da pandemia de covid-19.

As licitações de Magé aconteceram em novembro de 2020, mas só foram validadas em abril deste ano, com a publicação dos extratos das atas de registros de preços geradas a partir dos pregões 050 e 066. O primeiro, no valor de R$ 24.800.954,64 é para o fornecimento de medicamentos. O segundo é de R$ 1,350 milhão e tem como objeto reagentes para exame de covid-19.

Além da Carioca Medicamentos outra empresa denunciada por irregularidades nas contratações da Secretaria Estadual de Saúde está operando em Magé. Trata-se da Sogamax Distribuidora de Produtos Farmacêuticos, que tem dois contratados com o Fundo Municipal de Saúde de Magé – também para o fornecimento de remédios –, no total de R$ 8,6 milhões.

*O espaço está aberto para manifestação da Prefeitura de Magé.

Matéria relacionada:

Empresas investigadas por supostas irregularidades nas emergenciais da Covid-19 ganham contratos no total de R$ 33,4 milhões em Magé

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.