Casimiro de Abreu: Empresa do guarda-chuva alugado por R$ 201 pode faturar mais cerca de R$ 4,5 milhões na Fundação Cultural

● Elizeu Pires

Conhecida como a empresa que locou guarda-chuvas para decoração de Natal a R$ 201 a unidade, um escândalo até hoje não esclarecido pela gestão do prefeito Ramon Gidalte, a FJR Contildes Produções, vai faturar ainda mais junto à Prefeitura de Casimiro de Abreu. A firma foi declarada vencedora de um processo licitatório para locação de estrutura para eventos e poderá receber até R$ 4.492.993,90 em um ano se o objeto licitado for integralmente executado. Essa é o segundo pregão com valor alto vencido na da Fundação Cultural Casimiro de Abreu depois do caso dos guarda-chuvas vermelhos que deram muito que falar na cidade. O primeiro, no total de R$ 2.335.870,00, foi concluído no dia 21 de dezembro de 2021.

A nova vitória da empresa se deu na licitação 08/2022, modalidade pregão presencial, que teve como objeto a “contratação de empresa especializada na prestação de serviços de locação de estrutura pelo período de 12 meses (palco, tenda, som, iluminação, arquibancada, banheiro químicos, cercamento em grades metálicas) destinados a atender as necessidades da Fundação Cultural Casimiro de Abreu”, cujo resultado foi homologado no dia 16 de maio pela presidente da entidade, Luciana de Oliveira Dames Freitas Garcia.

Conforme o elizeupires.com havia revelado na matéria Casimiro de Abreu: Empresa dos guarda-chuvas caros tem contratos de shows com dois órgãos do governo e pode receber quase R$ 3 milhões, a FJR tem contratos para objetos semelhantes com órgãos diferentes do mesmo governo, a Fundação Cultural e a Secretaria de Turismo. Pela Fundação Cultural, através do processo administrativo n.º 073/2021, foi realizado o pregão 008/2021, que gerou uma ata de registro de preços (número 016/21) com valor global de R$ R$ 2.335.870,00, tendo como objeto a realização de shows e validade de um ano. Essa ata foi aderida parcialmente pela Secretaria de Turismo, que firmou com a empresa um contrato de R$ 627.150,00.

E a sindicância? – A empresa começou a aparecer no noticiário em 23 de dezembro, com a matéria Casimiro de Abreu: Guarda-chuva a R$ 201 usado em ornamentação de praça chama mais atenção que decoração natalina da cidade, que deu conta que mesmo em tempo de temporais um guarda-chuva poderia ser comprado no varejo naquele mês por menos de R$ 80, mas a Prefeitura havia optado por pagar R$ 201 por cada uma das 400 unidades alugadas para serem usadas na decoração natalina da praça principal da cidade,

Com a grande repercussão do caso o prefeito Ramon Gidalte prometeu fazer uma sindicância para apurar possíveis irregularidades no Contrato 079/2021 homologado no dia 25 de novembro pela secretária de Turismo Adriana Grillo de Brito, no valor global de R$ 584.064,00, mas administração municipal não tocou mais no assunto.

*O espaço está aberto para manifestação da Prefeitura de Casimiro de Abreu.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.