Irresponsabilidade compromete processo legal

Aonde o procurador geral da República pretende ir? Essa pergunta precisa ser feita por cada brasileiro para chegarmos, nós mesmos, a uma conclusão, já que Rodrigo Janot (foto) e seus meninos prodígios não responderão jamais. Quando, sem prova alguma, acusa o presidente Michel Temer de tentar obstruir a justiça e de comprar o silêncio de um condenado, o MPF está desconstruindo tudo aquilo que o estado democrático de direito construiu. Não estou falando isso por achar que Temer não deva ser investigado ou por pretender defendê-lo, mas por entender que os nobres doutores da lei perderam a mão há muito tempo, empolgados que estão com os aplausos de quem entendeu bulhufas do espetáculo, mas bate palmas mesmo assim.

O faço porque Janot e seus garotos já derraparam feio em situações anteriores e agora cometeram um erro absurdo que ninguém cometeria se não tivesse outras intenções: aceitou como prova uma gravação clandestina e ainda por cima manipulada, com pelo menos 50 cortes, quando – qualquer cidadão atento às leis sabe – deveria descartar a “prova” por ser ela ilegal e submetê-la a uma análise técnica para que a autenticidade pudesse ser assegurada. Não se fez nada disso. Vazou-se a gravação, fez-se um alarido danado, com tudo ocorrendo como Janot e os seus planejaram para colocarem fogo no país e levarem a esquerda às ruas pela antecipação da eleição para presidente.  Sabem para que? Conduzir a o PT ao poder novamente. Ou vocês acham que o pessoal do PT, PCdoB, Rede e Psol está querendo eleger quem?

Os que estão aplaudindo a desgraça de Temer ainda não perceberam que o erro foi premeditado, devidamente preparado, inclusive com direito a aulas ministradas por um membro do MPF e uma delegada da Polícia Federal que, em fevereiro, ensinaram a um dos advogados dos irmãos Batista (Joesley e Wesley), como deveria ser preparada a delação. Essa coisa toda tem ainda o fato de um ex-braço direito de Janot (Marcelo Miler), ter se desligado do MPF um dia antes da gravação ilegal, para associar-se ao escritório de advocacia que defende a JBS na condução de um acordo de leniência.

Será que os que estão nas ruas como zumbis comandados pelas vozes amestradas de alguns meios de comunicação – que erraram na dose e agora, sem coragem de admitirem o erro tenta justificar suas posições com outros argumentos – vêem nos Alessandro Molon da vida moral para pedir o impeachment de alguém? Onde estavam ele e seus colegas de esquerda quando os ladrões do PT saqueavam o Brasil?

Sobre o uso da gravação quem fala não sou eu, mas a Associação Nacional dos Peritos Criminais em nota oficial divulgada ontem:

“Em relação às recentes notícias veiculadas pela mídia, que dizem respeito a existência de possíveis edições na gravação da conversa entre Joesley Batista e o presidente da República Michel Temer, a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais esclarece que, ao se ouvir o áudio divulgado pela imprensa, percebe-se a presença de eventos acústicos que precisam passar por análise técnica, especializada e aprofundada, sem a qual não é possível emitir qualquer conclusão acerca da autenticidade da gravação. Ademais, sempre que houver vestígios materiais, é temerária a homologação de delações sem a devida analise pericial.

Cabe destacar, ainda, ser inaceitável que, tendo à disposição a Perícia Oficial da União, que possui os melhores especialistas forenses em evidências multimídia do país, não se tenha solicitado a necessária análise técnica no material divulgado; permitindo que um evento de grande importância criminal para o país venha a ser apresentado sem a qualificada comprovação científica.

Por fim, a APCF recomenda o envio imediato do áudio e do equipamento gravador ao Instituto Nacional de Criminalística (INC), órgão central de perícia criminal da Polícia Federal, de reconhecida idoneidade e imparcialidade; estando convicta de que tudo será devidamente esclarecido quando forem realizados os necessários exames periciais por Perito Oficial. 

Comentários:

  1. [quote name=”moreira”]vc ta brincando…[/quote]

    Você acha correto inseria uma gravação num inquérito sem uma análise técnica antes? Se acha quem está de brincadeira é você.

Deixe uma resposta para Carlos Augusto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.