Votação sem retorno cria rejeição a deputado em Magé

Dr. Luzinho teve 4.984 votos no município. O que a população ganhou com isso? Perguntam por lá

Elizeu Pires

A Secretaria Municipal de Saúde de Magé tem em seu comando – pelo menos no papel – um indicado pelo deputado federal Luiz Antonio Teixeira Junior (PP), eleito em 2018 com 103.745 votos, 4.984 deles conquistados no município. Passados dois anos e três meses desde a eleição, o que se pergunta na cidade é o que ele fez pelos mageenses para ter direito a indicar um apadrinhado para um dos cargos mais importantes da estrutura governamental, quanto em emendas parlamentares entrou nos cofres da municipalidade como reconhecimento a votação por ele obtida, mas o único argumento a justificar tal merecimento seria o de ele ser amigo do atual prefeito e o fato de o agora parlamentar ter recebido o apoio do clã Cozzolino na campanha de 2018.

Nos meios políticos o que mais se ouve é sobre a suposta preferência do deputado pela entrega de unidades de saúde ao controle de organizações, as manjadas OS que costumam deixar para trás, quando rompem um contrato, trabalhadores ao Deus dará, sem o pagamento de verbas rescisórias, contribuições previdenciárias e sem recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Em Magé, o que muito se teme no momento é que uma dessas organizações sociais venha ser contratadas pela Prefeitura.

De acordo com pessoas ligadas ao grupo político do deputado, quando foi convidado por ele para ir trabalhar em Magé, o agora secretário de Saúde Caio Antonio Mello e Souza teria relutado em dizer sim. Hoje, o que se comenta nos bastidores de Magé, é que Caio estaria ansioso para cair fora, insatisfeito que estaria com as intromissões de estranhos ao setor.

Nos meios políticos locais também comenta-se que Magé não teria sido beneficiada com emendas parlamentares de autoria de Dr. Luizinho nos últimos dois anos para não fortalecer a gestão anterior, mas que de agora para frente “as coisas vão ser diferentes”, e que uma OS poderá ser contratada para “melhorar o funcionamento da saúde”.

*O espaço está aberto para manifestação dos citados na matéria.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.