Bloco do governo transforma seção na qual contas de ex-prefeito de Magé será votada em palanque e já estaria comemorando a reprovação

Elizeu Pires

Rafael presidiu a Câmara antes de ser prefeito e sempre teve apoio unânime na Casa, mas como o tempo passa…

Está marcada para esta quinta-feira (24) a apreciação pelo plenário da Câmara de Vereadores, das contas do ex-prefeito de Magé, Rafael Santos de Souza, o Rafael Tubarão. O processo refere-se ao exercício de 2019 e conta com parecer prévio contrário do Tribunal de Contas do Estado de Rio de Janeiro. A Casa – que já derrubou em outras situações pareceres emitidos pela mesma corte – deverá acatar desta vez, inclusive com votos até de então aliados de Rafael, parlamentares que dividiram o mesmo espaço com ele por vários anos e durante todo o tempo em que o hoje ex foi prefeito eram só elogios.

O que se comenta nos ambientes políticos de Magé é que a ordem para que o parecer do Tribunal de Contas seja mantido ipsis litteris teria partido do prefeito Renato Cozzolino Harb e levada aos membros do Poder Legislativo pelo líder de governo, Valdeck Ferreira de Matos da Silva, padrasto do atual governante.

A reprovação das contas por parte da Câmara pode deixar o ex-prefeito inelegível por pelo menos oito anos, e seria exatamente isso que o clã que voltou a governar Magé depois de uma década longe do poder quer. É que Rafael pretenderia disputar um mandato de deputado federal em 2022 e tirá-lo da jogada facilitaria as coisas, já que Renato e o seus estariam planejando eleger um representante para a Câmara dos Deputados e colocar outro na Assembleia Legislativa.

*O espaço está aberto para manifestação dos citados na matéria.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.