Saquarema vai gastar com iluminação pública bem mais que valor contratado por cidade com universo populacional quase seis vezes maior

A cidade governada tem cerca de 90 mil habitantes e vai gastar R$ 7,5 milhões em seis meses, quando Belford Roxo, com 520 mil moradores, vai pagar R$ 11,2 milhões a mesma empresa por 12 meses de prestação de serviços O município de Saquarema, na Região dos Lagos, acaba de contratar a mesma empresa encarregada do serviço de iluminação pública em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, só que pagando bem mais caro por isto. A prefeita Manoela Ramos de Souza Gomes Alves, Manoela Peres autorizou a contratação da Hashimoto Manutenção Elétrica e Comércio pelo total de R$ 7.580.882,48, por seis meses de prestação de serviço.

O contrato sem licitação foi feito por adesão de uma ata da Prefeitura de Belford Roxo, que contratou a empresa por R$ 11.211.296,34, através de um instrumento jurídico com validade de um ano, o que significa dizer que Saquarema, que tem cerca de 90 mil habitantes, vai pagar muito mais caro que a terceira cidade mais populosa da Baixada, que conta com 520 mil habitantes, quase seis vezes mais moradores que o município governado por Manoela Peres, o que pode ser conferido aqui.

Antes da Faetec mãe do prefeito de Paulo de Frontin teve cargos na Prefeitura e na Câmara de Vereadores de São João de Meriti

Desde o ano passado recebendo salário da Atrio Rio para trabalhar na unidade da Faetec de Quintino, bairro do Rio de Janeiro, a mãe do prefeito de Paulo de Frontin, Jauldo de Souza Balthazar Ferreira, o Marcia de Souza Balthazar Ferreira, passou por São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Conforme o elizeupires.com revelou na matéria Paulo de Frontin vira filial de Meriti, veiculada no dia 30 de janeiro de 2017, ela foi nomeada na gestão do prefeito Sandro Matos, em novembro de 2014, na função de assessora especial da Secretaria Municipal de Governo.

Com a saída de Matos, em dezembro de 2016, a mãe de Jauldo foi abrigada na Câmara de Vereadores, onde foi nomeada pelo presidente Davi Perini Vermelho, como assessora operacional, através da Portaria 514/2017. O chefe da mãe de Jauldo em Meriti era Carlos Alberto Monteiro de Andrade, então secretário de Governo, nomeado depois para a Secretaria de Administração de Paulo de Frontin.

Governo do estado promete entregar hospital de campanha de Nova Iguaçu nesta quarta-feira, mas, porém, entretanto…

A unidade foi projetada para 500 leitos, sendo 200 para tratamento intensivo A Secretaria Estadual de Saúde está anunciando para amanhã (3), a inauguração do hospital de campanha de Nova Iguaçu, mas gente do próprio setor tem lá suas dúvidas. A unidade era para ter entrado em operação na primeira semana de maio e nada. Depois foram anunciadas mais três datas de inauguração, e agora o governo promete para esta quarta-feira, mas quem esteve no local nas últimas 24 horas afirma que ainda falta muito a ser feito.

A implantação do hospital de campanha para atender pacientes acometidos pela covid-19 foi anunciada na última semana de março. Na primeira semana de abril a Prefeitura concluiu as obras de preparação do terreno para que a unidade modular projetada para 500 leitos - sendo 200 de CTI – fosse instalada.  A terraplanagem de 50 mil metros quadrados, que teve o uso de mais de 60 máquinas, entre caminhões e equipamentos já foi concluída no dia 9 e no dia 10 foi feita a forração do pátio para a estabilização do solo, ficando a conclusão a cargo do Instituto de Atenção Básica e Avançada è Saúde (IABAS).

Ministério Público abre inquéritos para investigar venda de remédios à Saúde do Rio: sete empresas são alvos da apuração, além do ex-secretário da pasta

O ex-secretário de Saúde Edmar Santos é um dos alvos das investigações Sete empresas entraram na mira do Ministério Público por supostas irregularidades no fornecimento de medicamentos à Secretaria Estadual de Saúde contratados por dispensa de licitação. Inquéritos para investigar as emergenciais dos remédios foram abertos pela Força Tarefa de Atuação Integrada na Fiscalização das Ações Estaduais e Municipais de Enfrentamento à Covid-19 e pela 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania da Capital. Há suspeita de que algumas empresas sejam controladas e por um mesmo grupo que atua também em vários municípios fluminenses

Os alvos das investigações são as empresas Carioca Medicamentos e Material Médico, Speed Século XXI, Sogamax Distribuidora de Produtos Farmacêuticos, Avante Brasil Comércio, Lexmed Distribuidora, Sysgraphic Comércio e Medical Health Comércio e Serviço, além do ex-secretário Edmar Alves dos Santos, ex-sub-secretário Gabriell Carvalho Neves Franco dos Santos e ex-superintendente de logística e suprimentos, Gustavo Borges da Silva.

Em tempos de pandemia Prefeitura de Mesquita gasta R$ 3,7 milhões com informática: cidade já registra 63 mortes por covid-19

Na semana passada um morador de Mesquita buscou socorro na UPA de Edson Passos e foi mandado de volta para casa porque seu caso seria de "stress". Passou por várias outras unidades e morreu de covid-19 no Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, onde chegou com os 50% dos pulmões comprometido.

Quem busca atendimento na rede municipal de saúde diz que Mesquita que não tem leito para tratamento de pacientes graves acometidos pelo coronavírus. Até ontem (1), segundo dados do último boletim da Secretaria Estadual de Saúde, o município registrava 511 casos confirmados e 63 óbitos, mas a Prefeitura que não comprou um respirador sequer, licitou recentemente R$ 3.734 milhões em equipamentos de informática.

Prefeito de B. Roxo insiste nas despesas esquisitas: em plena pandemia contrata locação de banheiros químicos por R$ 910 mil

Em tempos de coronavírus e isolamento social imposto como medida de prevenção, a Prefeitura de Belford Roxo homologou uma licitação para alugar banheiros químicos. A quantidade a ser disponibilizada por uma empresa de produções artísticas não está claro no ato de homologação, mas o valor chama a atenção: R$ 910. 827,32.

Equipamento usado em grandes eventos, os banheiros químicos, para os observadores mais atentos, não são nada úteis fora disso quando disponibilizados em grande quantidade, como faz crer o valor global licitado.

Depois de denúncias e atrasos nos prazos de entrega, IABAS pode ficar fora da administração dos hospitais de campanha

O hospital de campanha de Nova Iguaçu era para ter sido inaugurado na primeira semana de maio O hospital de campanha de Nova Iguaçu era para estar funcionando desde a primeira semana de maio. Não foi aberto até agora, o que poderá acontecer esta semana se o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (IABAS) não der mais nenhuma desculpa, a instituição foi contratada inicialmente para instalar sete unidades com 1.400 leitos por R$ 836 milhões, com duração de seis meses. O número de leitos caiu para 1.300 e o valor global foi reduzido para R$ 770 milhões. Ruim de cumprir prazo, o IABAS só entregou até agora o hospital do Maracanã e este deverá ser o único que ficará sob a administração do instituto.

Com 500 leitos – sendo 200 de UTI – o hospital de Nova Iguaçu teve três datas de inauguração anuncias pela Secretaria Estadual de Saúde. A última foi 29 de maio, mas o IABAS mais uma vez não correspondeu às expectativas. Ontem falava-se nesta segunda-feira, mas quem é que acredita agora?

Magé estende medidas de isolamento por mais 15 dias e 19 profissionais de Saúde voltam à linha de frente depois de vencerem a covid-19

Os profissionais do Serviço Móvel de Urgência sofrem os mesmos riscos dos médicos e enfermeiros  Décimo quarto município do estado do Rio de Janeiro em números de casos confirmados de covid-19 (655) sétimo em óbitos (89), segundo o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde, Magé, na Baixada Fluminense, decidiu manter as medidas restritivas de funcionamento de  comerciais e órgãos públicos municipais, e a suspensão das aulas da rede municipal de educação até 15 de junho de 2020, mas inseriu na atividades liberadas para funcionamento o setor de construção civil e as feiras livres. Na semana passada os servidores da Saúde receberam uma boa notícia: 19 profissionais do venceram a doença e estão recuperados do novo cornavírus.

Ao todo dois médicos, quatro enfermeiros, sete técnicos de enfermagem, cinco condutores de ambulância e uma auxiliar de serviços gerais acometidos da doença já estão de volta ao trabalho, ajudando a salvar vidas no atendimento móvel de urgência. "Passei uns dias muito cansada, comecei com uma tosse muito forte no trabalho, mas achei que fosse alergia. Com a garganta arranhando e uma tosse que não passava, fui à unidade 24h de Fragoso, e a médica pediu para que eu colhesse o swab e realizasse o raio-x. Me afastei 14 dias do trabalho e fiz o isolamento. Meus sintomas foram diminuindo, e eu tendo mais coragem para enfrentar esse vírus. Pois antes eu estava desacreditada, o que é muito triste. Me recuperei e vi muitos amigos meus se recuperaram também. Retornei ao trabalho com 14 dias. Temos que ter consciência de que o vírus só vai ser combatido com prevenção, higienização e obediência", conta técnica de enfermagem Liliane Sanches.

Saúde de Belford Roxo não revela quanto paga por tratamento de covid-19 em unidade particular: contrato não está disponível

Por decreto foram requisitados 50 leitos ao HF A gestão que não mostra de forma clara os gastos emergenciais feitos para o enfrentamento do coronavírus, deixando de disponibilizar as informações de forma objetiva no Portal da Transparência recomentam o Tribunal de Contas e o Ministério Público, também não revelou até agora o contrato de requisição de leitos do Hospital Central da Baixada Fluminense, o Hospital Fluminense, para internação de pacientes acometidos de covid-19 nem quanto já pagou por isto até agora. Como os dados não vêm sendo encontrados no site oficial do município, uma representação deverá ser encaminhada ao Ministério Público na próxima semana, para que o contribuinte interessado em fazer o controle social lhe garantido por lei possa ter acesso aos números.

A única informação de valor contratado junto ao Hospital Fluminense pela Secretaria de Saúde de Belford Roxo disponibilizada diz respeito a um convenio para prestação de serviços de pediatria nas áreas ambulatorial e hospitalar, um total de R$ 6 milhões, contratação emergencial homologada em 9 de abril, 19 dias antes de o Conselho Municipal de Saúde emitir o certificado de credenciamento do HF para prestação do serviço complementar de saúde.

Justiça multa prefeito de Caxias por descumprir ordem de manter o isolamento com fechamento do comércio não essencial

O prefeito Washington Reis (foto) vai ter de pagar – com recursos próprios – uma multa de R$ 20 mil. Decisão neste sentido foi tomada pelo juízo da 3ª Vara Cível de Duque de Caxias, que acatou representação da Ministério Público através da Força-Tarefa de Atuação Integrada na Fiscalização das Ações Estaduais e Municipais de Enfrentamento à Covid-19 e da 2ª Promotoria de Justiça de Saúde da Região Metropolitana I, pelo fato de Reis ter descumprido medida judicial que determinou a manutenção do isolamento social no município até a apresentação de laudo técnico garantindo a ausência de risco para a população.

O prefeito emitiu um decreto flexibilizando o isolamento social através da reabertura do comércio da cidade a partir da última segunda-feira (25), mas os efeitos foram suspensos pela Justiça. Ainda assim a maior parte dos estabelecimentos comerciais foi reaberta, aumentando o fluxo de pessoas no centro da cidade.