Mais um processo por improbidade contra Lindberg

Senador vai responder por contratação de mais de mil fantasmas

Condenado na semana passada a devolver R$ 1,5 milhão aos cofres públicos, o senador Lindberg Farias (PT) vai ter de enfrentar mais uma ação civil pública por improbidade administrativa. É que o Ministério Público já está preparando mais uma denúncia contra Farias, ainda em relação ao tempo em que ele foi prefeito de Nova Iguaçu (de 1º de janeiro de 2005 a 31 de março de 2010), tendo entrado para a história do município como o prefeito mais processado. Farias – com condenações em primeira e segunda instâncias – foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) por manter funcionários fantasmas na administração municipal, fato que foi denunciado pelo elizeupires.com em novembro de 2007. De acordo com a denúncia, feita ao site por uma fonte da Secretaria Municipal de Governo, só nesse setor estavam lotadas mais de 800 pessoas que não compareciam nem para assinar o ponto, pois esse era dado pela chefe de gabinete do prefeito, Maria José Andrade, a Zezé.

Conforme o elizeupires.com noticiou em março de 2009, o TCE realizou uma auditoria na Prefeitura no período de 21 de maio a 11 de julho de 2008, comprovando a existência de várias irregularidades, incluindo a existência de 865 funcionários fantasmas, todos lotados na Secretaria de Governo. Os auditores do Tribunal de Contas afirmam que os “fantasmas” não apareciam na secretaria nem para pegar os contracheques e seus pontos eram atestados pela chefe de gabinete do prefeito, Maria José Andrade. De acordo com o relatório final da inspeção especial ao qual o elizeupires.com teve acesso, dos mais de mil servidores apenas 35 assinaram ponto regularmente e 13 estavam em “expediente externo” durante a verificação feita pelos técnicos na Secretaria de Governo, que na época tinha como titular o professor Paulo de Tarso Monteiro de Barros, conhecido com Paulinho do Leopoldo. Na Secretaria de Educação o número de fantasmas constatado pelo auditores chegou a 137.

Matérias relacionada:

O palácio das almas

Uma Prefeitura “mal-assombrada”

Comentários:

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.