Realidade começa a assustar os patos novos na lagoa da política

Gastos de verba parlamentar em empresas fantasmas, Queiroz e as denúncias de “rachadinhas” aconselham baixar a bola

O processo eleitoral de 2020 já começou internamente em vários partidos na Baixada Fluminense, com pré-candidaturas, alianças e escolhas de novas legendas para troca, mas aquela turma que vinha achando que bastava vestir-se de amarelo, fazer cara feia, cerrar os punhos e postar fotos nas redes sociais parece perdida...

Por uma questão de respeito aos mageenses, fora ele!

O cara parece que não tem espelho em casa. Sua imagem está mais queimada que carvão no fim do churrasco, mas ele se acha. O setor de saúde de sua cidade é o que mais recebe recursos federais na Baixada Fluminense, mas a coisa está feia por lá. Tanto que 40% dos procedimentos médicos feitos nas unidades de Piabetá - segundo estimativa da Secretaria Municipal de Saúde de Magé - contemplam moradores da cidade dele. Os servidores de lá, coitados, são obrigados a trabalhar dois meses para receber um, mas e dai? Quem se importa, né?

Os aposentados e pensionistas, por exemplo, só conseguiram receber os proventos de agosto no último dia 22, mas ainda assim o cara se acha o cara.

Comunicação de Magé tem novo comando

Servidora de carreira vai cuidar da imagem do governo e estreitar os laços com a mídia

Sandra quer uma comunicação com linguagem direta - Foto^Gerson Peres Criada em abril do ano passado, a Secretaria de Comunicação e Eventos do município de Magé está sendo comandada agora por uma servidora concursada. Sandra Silva, que também já atuou como Secretária de Administração, assumiu o cargo na última segunda-feira. Sua proposta é apertar a tecla sap da informação do governo, levando as ações oficiais para mais perto do povo através dos meios de comunicação disponíveis, sem onerar os cofres públicos.

Justiça devolve cadeira ao prefeito de Queimados: Carlos Vilela voltará à Prefeitura daqui a pouco

Afastado de forma abrupta do cargo na última terça-feira (8) em decisão tomada por menos de dois terços da formação da Câmara, o prefeito de Queimados, Carlos Vilela (foto), voltará ao governo daqui a pouco, por decisão da Justiça. Ele é alvo de uma comissão de investigação instalada para apurar suposto ato de improbidade administrativa no atraso de repasses de contribuições ao fundo de pensão dos servidores municipais. Ocorre que entre os nove parlamentares que decidiram pelo afastamento estão cinco que cumpriam mandato na gestão passada e nada fizeram em relação a fatos ainda mais graves que teriam ocorrido durante a administração de Max Lemos.

A decisão em caráter liminar foi expedida pelo juiz da 1ª Vara Cível de Queimados, Luís Gustavo Vasques. Ele observou que a Câmara não observou o rito necessário ao processo. "Em nenhum momento do rito acima estabelecido para a apuração de eventual prática de infração político-administrativa pelo prefeito municipal existe a possibilidade de afastamento cautelar e temporário do cargo, o que, por consequência, identifica o vício havido na decisão de afastamento prolatada pela autoridade coatora", pontuou o magistrado

E quem nos protege da Universal, prefeito?

Elizeu Pires

Em entrevista veiculada pela Folha de São Paulo o prefeito do Rio reclamou de que há preconceito em relação ao fato de ele ser um bispo evangélico. Marcelo Crivella protesta dizendo que tudo o que ele faz para proteger a família ganha um viés ideológico, que a imprensa o confunde o prefeito com o bispo e noticia que é um ato de censura.

Em respeito a dor da família Silva

"As coisas mais mesquinhas enchem de orgulho os indivíduos baixos." Lembrei-me hoje do que William Shakespeare disse há 420 anos e certamente, por estas linhas, serei crucificado pelos mesquinhos que, no extremo da ignorância, alegraram-se com a morte de uma criança, vítima duas vezes: primeiro da meningite que ceifou sua vida, depois, da insensibilidade que toma conta de extremistas, gente esquisita sem dó nem piedade. O corpo de Arthur, neto do ex-presidente Lula, foi cremado neste sábado em São Bernardo do Campo e, enquanto o avô, pais, tios e amigos o velavam, idiotas se manifestavam nas redes sociais, alegrando-se com a dor família. Pensei que as manifestações de ódio acabariam com a posse do presidente Jair Bolsonaro. Mas não. Prolonga-se com o esforço de uma militância de imbecis, estende-se Brasil a fora com a marcha de um exército de psicopatas...

Lula foi julgado, condenado e está cumprindo a sentença em Curitiba. De lá, creio, não sairá tão cedo, mas o que uma coisa tem a ver com a outra? O pequeno Arthur nem tinha nascido quando o avô era presidente da República, mas ai vem um bando de babacas festejar sua morte com comentários na grande rede, manifestando-se com ironia e sarcasmo. Teve até quem dissesse que a morte do menino é um castigo de Deus sobre as costas de Lula.

Senhores, a Bíblia não é a Constituição

Somando 108 deputados e dez senadores, a Bancada da Bíblia ou dos evangélicos – como preferirem – está se achando. Quer impor uma pauta de costumes, quando a prioridade deveria ser o país e questões que vão muito além dos templos que não pagam impostos, não rendem um centavo sequer aos cofres públicos. Mais uma vez o assunto é a transferência da Embaixada do Brasil de Tel-Aviv para Jerusalém, como se isso tivesse uma enorme importância para a nação. O bloco do "nós acima de tudo e de todos" parece ver nessa mudança a solução para todos os problemas nacionais. Ignora, por exemplo, que se levada a efeito, a transferência pode causar um baque e tanto na economia brasileira...

Depois de pregar no deserto, defendendo tratamento especial para o ex-senador Magno Malta, o deputado Sóstenes Cavalcante, líder do bloco, agora ataca o vice-presidente Hamilton Mourão porque este, ao contrário do titular, olha o tempo todo para frente, já desceu do palanque e defende interesses nacionais, não bandeira de grupos.

Aos mageenses, com carinho e respeito

Minha relação com Magé não tem nada de pessoal. É profissional, e exercida sempre que se precisa dela. Vocês se lembram dos tempos de chumbo, quando se temia tocar no poder local? Pois é. Quem saiu de sua zona de conforto e deu as caras para tomar as dores, lutar numa batalha que não era sua, já que os corajosos locais preferiam a segurança do silêncio, para não dizer a da omissão conveniente?

Da metade de 2011 para cá está muito fácil mostrar-se forte e corajoso. Particularmente, eu, Elizeu Pires, a quem vocês recebem todos os dias com carinho e respeito via elizeupires.com, gostaria muito de ter contado com a ajuda dos destemidos de hoje, mas, infelizmente, tive de ir à guerra sozinho. Nada a lamentar. Só fico triste quando leem uma coisa, entendem outra e saem espalhando da forma equivocada resultante de uma limitada interpretação...