Vereadora catarinense será incluída em programa de proteção aos defensores de direitos humanos

O ministro Silvio Almeida acolheu vereadora vítima de violência política e de gênero - Foto: Clarice Castro/Ascom/MDHC Vereadora por São Miguel do Oeste (SC), Maria Tereza Capra foi vítima de violência política e de gênero por atos antidemocráticos após as eleições de 2022. Ontem (1°), o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, acolheu a parlamentar para garantir a proteção e a dignidade dela. Maria Tereza será incluída no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas (PPDDH).

Na oportunidade, o titular do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), Silvio Almeida, apontou o discurso de ódio como motor dos atos antidemocráticos observados no Brasil nos últimos tempos. "A gente não pode aceitar isso do ponto de vista político. Não dá para achar que um país democrático possa admitir uma situação como esta. É inaceitável. Tomaremos todas as providências para enfrentar esta violação da dignidade humana", declarou.

Com apoio do PT Pacheco é mantido na presidência do Senado

Senador foi eleito por 49 votos a 32

Pacheco teve 17 votos a mais que o candidato apoiado pelo clã Bolsonaro, Rogério Marinho O senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) foi reeleito, na tarde de hoje (1º), presidente do Senado pelos próximos dois anos. A eleição ocorreu na segunda reunião preparatória desta quarta-feira, dia que marcou também a posse dos senadores eleitos em outubro de 2022 e o início do ano legislativo na Casa. Pacheco derrotou Rogério Marinho (PL-RN) e Eduardo Girão (Podemos-CE). Esse último chegou a discursar como candidato, mas retirou sua candidatura em seguida para apoiar Marinho. 

Arthur Lira é reeleito para presidência da Câmara dos Deputados

O parlamentar está em seu quarto mandato

Lira costurou aliança forte para obter uma votação histórica Em uma votação recorde, o deputado Arthur Lira (PP-AL) foi reeleito nesta quarta-feira (1º) para o cargo de presidente da Câmara dos Deputados por 464 votos. O parlamentar ficará no comando da Casa pelos próximos dois anos. Ele está em seu quarto mandato e foi o candidato a deputado federal mais votado de Alagoas nas eleições do ano passado. O parlamentar afirmou que, entre as prioridades de sua gestão, está a aprovação da reforma tributária.

Deputados tomam posse na Alerj para a 13ª legislatura

Bancada feminina cresceu e representa 21,4% do colegiado

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) iniciou nesta quarta-feira (1) a 13ª legislatura de sua história, com a posse dos 70 deputados eleitos em 02 de outubro de 2022. A sessão foi presidida pelo deputado Carlos Minc (PSB), decano da Casa, que iniciará seu 10º mandato. O evento aconteceu no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, no Palácio Tiradentes, antiga sede do Parlamento Fluminense. A Alerj terá uma renovação de 45,7% de suas cadeiras, e essa Legislatura contará com 32 novos parlamentares e 38 reeleitos. Os deputados voltam a se reunir nesta quinta-feira (2), às 15h, também no Palácio Tiradentes, para a eleição da Mesa Diretora e do presidente da Alerj.

“Sai um conciliador para entrar um desagregador”, dizem na Alerj sobre a escolha de Bacellar para presidir a Casa

● Elizeu Pires

O apoio do governador a Bacellar contraria até o sempre governista Altineu Côrtes Com o PL rachado, o alvo de investigações no Ministério Público, deputado Rodrigo Bacellar espera ser eleito nesta quinta-feira (2) para presidir a Alerj com pelo menos 50 votos, conta feita por ele e pelo governador Claudio Castro, que resolveu bancar uma candidatura que, para muitos, poderá trazer muitos problemas para o governo e acabar com a harmonia na Casa.

Lula e governadores assinam a Carta de Brasília, reforçando o compromisso com o estado democrático de direito

Lula posa com o documento ao lado da governadora Fátima Bezerra, do Rio Grande do Norte – Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação/Palácio do Planalto Durante o encontro nesta sexta-feira (27) no Palácio do Planalto, o presidente Lula e os governadores assinaram a Carta de Brasília, um documento onde reforçam o compromisso com o estado democrático de direito e com a estabilidade institucional e social do país. Após os ataques golpistas do dia 8 de janeiro, governadores vieram a Brasília em solidariedade aos chefes dos Três Poderes .

“A democracia é um valor inegociável. Somente por meio do diálogo que ela favorece poderemos priorizar um crescimento econômico com redução das nossas desigualdades e das mazelas sociais que hoje impõem sofrimento e desesperança para uma parcela significativa da população brasileira”, diz carta.