Prefeito de Barra Mansa é investigado por corrupção ativa: é acusado de oferecer dinheiro para vereadores aprovarem sua prestação de contas

Um vereador da cidade disse que o prefeito Rodrigo Drable teria oferecido R$ 30 mil pela aprovação de suas contas O Ministério Público realizou na manhã desta terça-feira (14) operação de busca e apreensão na Prefeitura de Barra Mansa e na Câmara de Vereadores. Os alvos são o prefeito Rodrigo Drable (foto), dois vereadores - Zélio Resende (PRTB) e Paulo Afonso Sales Moreira, o Chuchu (Solidariedade) - e o coronel da Polícia Militar Jorge Ricardo da Silva, nomeado em cargo de confiança na administração municipal. Ao todo a Justiça emitiu 11 mandados e determinou o afastamento dos denunciado do exercício de funções públicas.

Os quatros são acusados de "organização criminosa e prática de corrupção ativa". O prefeito é suspeito de ter oferecido dinheiro a vereadores para ter suas contas aprovadas pela Câmara Municipal. Os mandados foram expedidos pelo Segundo Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça e como o processo corre em segredo de Justiça o Ministério Público não divulgou maiores informações sobre o resultado das investigações.

Filha do prefeito de Rio das Ostras confirma que recebeu auxilio emergencial de R$ 600 e decide devolver o dinheiro

Mayra disse que devolveu o dinheiro e que espera com isso ter "encerrado o assunto" Em vídeo divulgado ontem (13) em suas redes sociais a estudante Mayra Gurgel Borba, filha do prefeito de Rio das Ostras, Marcelino Carlos Dias Borba, o Marcelino da Farmácia, confirmou ter solicitado o auxilio emergencial pago pelo governo federal a desempregados ou pessoas que ficaram sem renda por conta da crise gerada pela pandemia do coronavírus.

Ela disse que seus pais não tinham conhecimento disso e que decidiu devolver hoje os R$ 600 recebidos. Mayra afirmou que solicitou o auxilio por achar que tinha direito a ele e que não pensou nas consequências que seu ato poderia causar. A estudante mora com os pais e considerando só os vencimentos de Marcelino, a família Borba tem uma renda líquida de R$ 16.218,18 mensais.

Delação firmada pelo ex-secretário de Saúde do Rio balança as estruturas do Palácio Guanabara: devolução de R$ 8,5 milhões seria parte do acordo

Witzel e Edmar são filhos da "nova política". Um já caiu e o outro pode ser cassado pela Assembleia Legislativa Quando, no dia 7 de maio, o ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves foi preso sob acusação de comandar um esquema de fraude nos contratos emergenciais feitos pelo governo do Rio em nome do enfrentamento do coronavírus, o então titular da pasta, o médico anestesista e tenente-coronel da Polícia Militar Edmar Santos disse que não sabia de nada sobre as irregularidades. Dois meses depois o Ministério Público apontou que ele não só tinha conhecimento do esquema como era um dos cabeças do que o MP classifica de "organização criminosa".

O ex-secretário foi preso na última sexta-feira (10) e entregou espontaneamente R$ 8,5 milhões, quantia que chegou a ser divulgada como apreendida. Mais que a prisão, preocupa a devolução do dinheiro, pois isso, diz gente que acompanha de perto a situação, é sinal de que Edmar – para o desespero de muitos, senão do próprio governador Wilson Witzel – está colaborando com as investigações.

Tresoitão de Bolsonaro picota: das cerca de 500 mil assinaturas necessárias menos de 16 mil foram validadas até agora

Os bolsonaristas acharam que em pouco temo obteriam 500 mil assinaturas e conseguiriam por o Aliança pelo Brasil,  partido idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro, em condições de disputar as eleições municipais deste ano. Fracassaram feio. O disparo picotou. Há sete meses tentando atrair filiações os lideres da legenda não estão conseguindo as metas pretendidas, conforme revela o fracasso verificado nos números: até a última quinta-feira (9) a Justiça Eleitoral só tinha validado 15.721 assinaturas, 3,2% do mínimo das 492 mil necessárias.

Os dados mostram um fracasso muito maior: 25.384 assinaturas foram negadas, a lista apresentada pelo Aliança tem 44 nomes de eleitores mortos  e 150 eleitores não existentes, segundo constatou o setor do Tribunal Superior Eleitoral responsável pela análise dos documentos.

Depois do “fazer muito e roubar pouco” PT deve ficar fora das eleições na pequenina Laje do Muriaé, onde Bolsonaro perdeu para Haddad

O tropeço verbal de um suplente de vereador que, em vídeo divulgado via redes sociais revelou ter como princípio "fazer muito e roubar pouco", pode barrar o PT nos palanques de Laje do Muriaé, uma das menores cidades do interior fluminense. Desde 2012 tentando um mandato de vereador, Liedio Luiz Silva (foto) era até ontem (10) presidente do partido no município e vinha declarando apoio ao pré-candidato a prefeito Eudócio Moreira Cardoso, o Netinho do Dinésio, mas depois da repercussão nacional de sua fala, nem ele nem o seu partido deverá ter espaço nas campanhas este ano.

O pleito deste ano seria o terceiro disputado por Liedio. Em 2012 ele teve 99 votos e em 2016 conseguiu 128, mas teve problemas com Justiça, assim como o seu pré-candidato a prefeito este ano, Netinho. Eles tiveram o registro cassado junto com o prefeito e o vice eleitos naquele ano, Rivelino da Silva Bueno e Marcos Francisco Fonseca Alvim, o Tico. Netinho conseguiu manter-se no mandato, o segundo conquistado sob a legenda do PDT.

Depois da segunda recomendação do MP prefeito de Guapimirim exonera secretário de Saúde condenado por improbidade administrativa

O ex-prefeito de Teresópolis, Roberto Petto Gomes (foto), não é mais o titular da Secretaria de Saúde de Guapimirim. Ele foi exonerado pelo prefeito Jocelito Pereira, o Zelito Tringuelê, depois que a 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (Núcleo Magé) expediu recomendação neste sentido, por conta de uma condenação por improbidade administrativa já transitada em julgado e sobre a qual não cabe mais recurso. Petto está com os direitos políticos suspensos e não pode exercer cargo público.

Durante o período em que foi prefeito da Teresópolis – de abril de 2004 a 31 de dezembro de 2007 – Roberto Petto acumulou o cargo de chefe da Divisão de Controle e Avaliação no Hospital das Clínicas de Teresópolis Constantino Otaviano (HCTO), vinculado à Fundação Educacional Serra dos Órgãos (Feso).

Pandemia ajuda esticar interinidade em Silva Jardim

Presidente da Câmara vai se mantendo como prefeito

Jaime concorreu sub judice e venceu no voto, o que não mudou em nada a situação dele, que permanece como interino Jaime Figueiredo, prefeito interino de Silva Jardim, foi o candidato mais votado na eleição suplementar realizada em 8 de março, a qual disputou sub judice, pelo fato de ter registro cassado, decisão que já foi confirmada por instância superior, podendo o Tribunal Superior Eleitoral determinar uma nova votação. Enquanto o TSE não decide, a interinidade de Jaime vai sendo esticada e o pequeno município do interior do estado do Rio de Janeiro segue acumulando estagnação.

Denúncia de tentativa de suborno em Valença está sendo vista como “pano de fundo” para aprovação de contas rejeitadas pelo TCE

Fábio: "Vou exigir que as provas contra mim sejam apresentadas na Justiça"  "Não passa de uma armação". É o que diz o político Fábio Ramos, pré-candidato à prefeito de Valença, sobre a denúncia de suborno apresentada contra ele pelo vereador Aloysio Saulo Maria Infantes de Jesus Breves Beiler, o Dr. Saulo. Fabio revelou há pouco que estava em casa e foi chamado para fora, sendo surpreendido com a acusação e por três agentes da 91ª Delegacia Policial que o conduziram para prestar esclarecimentos. Fabio foi acusado por Saulo de tentar comprar o voto dele para que o parecer do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro contrário às contas de 2018 do prefeito Luiz Fernando Graças foi mantido pela Câmara.

Segundo Ramos, o vereador alegou que a quantia de R$ 19 mil reais que estava em seu próprio carro teria sido parte do pagamento pelo voto. "Eu estava em casa tranquilamente e pouco antes da votação na Câmara fui surpreendido com isso. Não havia mandado judicial contra mim, não houve participação alguma do Ministério Público na minha condução até a Delegacia e não foi encontrado nenhum dinheiro comigo nem com alguém ligado a mim. O dinheiro estava no carro do vereador", afirmou Fábio.

Sandra Silva quer representação feminina na Câmara de Magé

Há 20 anos o município não tem uma vereadora

Sandra diz que demorou a se decidir por uma candidatura porque antes não se sentia preparada Há duas décadas sem uma representante feminina, a Câmara de Vereadores de Magé é alvo, este ano, de várias mulheres, e o município deverá assistir nas próximas eleições uma disputa de verdade, vivendo momentos bem diferentes do tempo em que o lançamento de nomes era apenas para formar – nas nominatas dos partidos – a cota de gênero, uma vez que a legislação determina que 30% das vagas para candidaturas proporcionais sejam preenchidas por mulheres. A última vereadora eleita em Magé foi Eliane Franco de Lima. Antes dela passaram pela Casa Sonia Muniz Barreto e Maria Barenco, esta eleita em 1982 pelo PDT.

Prefeitos preferem eleição em outubro

Adiamento ou não terá de ser votado esta semana, diz Rodrigo Maia

Rodrigo Maia entende que a PEC tem de ser posta em votação ainda esta semana - Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que adia as eleições municipais deste  por conta da pandemia do novo coronavírus já passou pelo Senador, que fixou o dia 15 de novembro para a votação em primeiro turno e 29 do mesmo para o segundo, mas para valer depende da aprovação da Câmara dos Deputados, onde a aposta é de não aprovação. Vários deputados já se posicionaram contra a PEC para não desagradar os prefeitos de suas bases.