TRE-RJ torna inelegível prefeito Marcello Crivella

Por unanimidade, o Colegiado do TRE-RJ tornou o prefeito do Rio, Marcello Crivella (Republicanos), o filho dele, Marcelo Hodhe Crivella, e Alessandro Costa inelegíveis por oito anos. O prefeito foi condenado por abuso de poder político e conduta vedada a agente público, por ter promovido evento eleitoreiro, com uso da máquina pública, para beneficiar as candidaturas a do filho e de Alessandro Costa a deputado estadual. O prazo da inelegibilidade começa a contar das eleições gerais de 2018 e os três também vão pagar multa no patamar máximo de R$ 106.410,00 cada. A decisão prevê a imediata comunicação ao Juízo Eleitoral responsável pelo registro das candidaturas à eleição deste ano, independentemente de recurso.

Em 13 de setembro de 2018, o prefeito Marcello Crivella comandou uma reunião eleitoral com funcionários da Comlurb na quadra da Escola de Samba Estácio de Sá, para promover as candidaturas a deputado estadual de Marcelo Hodge Crivella e Alessandro Costa, que terminaram a eleição sem serem eleitos.  A Corte do TRE-RJ entendeu haver provas de que dezenas de funcionários da empresa haviam sido transportados para o evento eleitoreiro na quadra da Escola de Samba Estácio de Sá em veículos oficiais e que, ao menos os motoristas, estavam em horário de expediente. O uso de carro oficial para levar trabalhadores da Comlurb ao encontro chegou a gerar punição interna de advertência a oito gerentes, por decisão da diretoria de Compliance da empresa.

Exonerações a caminho do DO: suposto dossiê contra Máfia da Saúde a parte, Felipe Bornier é dado como certo no passaralho de amanhã

No termo de delação firmado com o Ministério Público Federal em 24 de junho o ex-secretário Edmar Santos cita que o ex-prefeito de Nova Iguaçu, Nelson Bornier, teria se movimentado para conseguir reabilitar a OS Unir Saúde junto ao governo estadual, o que ele nega. Se a movimentação ocorreu ou não, o fato é que o governador Wilson Witzel – apesar de todos os pareceres técnicos contrários –, assinou a reabilitação, o que acabou sendo o motivo formal do impeachment votado ontem (23) na Alerj.

Edmar disse mais. Falou ainda que o grupo hoje chamado de Máfia da Saúde, deixou de se reunir no edifício da Rua Rodrigo Silva, 19, no centro  – batizado de QG da Propina – porque Bornier aparecia nas reuniões e teria produzido um dossiê com todos os visitantes do endereço, o que Nelson também desmente.

Patrimônio do prefeito de Rio das Ostras quase dobrou em dois anos

Marcelino da Farmácia assumiu a Prefeitura em julho de 2018

Comenta-se nos meios políticos em Rio das Ostras que a administração do prefeito de Rio das Ostras, Marcelino Borba, o Marcelino da Farmácia, "para ser considerada ruim precisa melhorar muito", mas o mesmo não se pode dizer em relação ao patrimônio pessoal dele, que evoluiu bastante em comparação ao valor total declarado à Justiça Eleitoral há pouco mais de dois anos, quando ele disputou e venceu a eleição suplementar realizada no dia 24 de junho de 2018.

Alerj aprova impeachment de Wilson Witzel por unanimidade: governador é acusado de fraudes no sistema de saúde do Rio

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou de forma unânime, por 69 votos a favor e nenhum contra, o relatório que pede o impeachment do governador afastado Wilson Witzel. A sessão, realizada nesta quarta-feira (23), reuniu 69 deputados, presencialmente ou de forma remota. Um deputado está afastado por problema de saúde.

O projeto precisava de um mínimo de 47 votos para ser aprovado. A resolução será publicada em Diário Oficial nesta quinta-feira (24) e o Tribunal de Justiça (TJ) será comunicado para dar início à formação do Tribunal Misto. O tribunal é formado por cinco deputados eleitos pela Alerj e cinco desembargadores eleitos por sorteio pelo TJ. A partir da formação do tribunal, o governador é afastado por até 180 dias enquanto os seus membros analisam a questão.

Silva Jardim: chapa apoiada pelo ex-prefeito das prisões e escândalos é formada por vereador e coronel da Polícia Militar

Fifico e Wolney concorrem pela coligação PSD, PTB, Solidariedade, MDB e Republicanos O vereador Norcivan Correia Valviesse, o Fifico, é o candidato do PSD à Prefeitura de Silva Jardim, tendo como companheiro de chapa o ex-comandante geral da Polícia Militar, coronel Wolney Dias. Entretanto o apoio declarado pelo deputado estadual Anderson Alexandre preocupa alguns aliados. É que Anderson – que governou a cidade até 31 de março de 2018 – estaria com o "filme queimado". Ele foi preso por denúncias de fraude em processo de licitação aberto para contratar uma empresa para manutenção da rede de iluminação pública da cidade e investigado em vários inquéritos pelo Ministério Público, além de ter sido denunciado por supostos crimes eleitorais.

Em agosto Fifico usou as redes sociais para confirmar o apoio do ex-prefeito. Ele disse ter se reunido com Anderson Alexandre e afirmou: "Receberei de bom grado todos os apoios, pois a política é feita de pessoas. Não precisamos de brigas, vaidades ou orgulho. Precisamos nos unir para juntos construirmos a Silva Jardim que queremos".

Família Reis lança mageense à Prefeitura de Carmo

Fabiane da Silva Gulão foi escolhida pelo MDB

Buscando exercer influência política em vários municípios fluminenses, uma vez que pretende concorrer a governador no futuro, o prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, resolveu lançar um nome nascido em Magé para disputar a Prefeitura de Carmo, no interior do estado.

Crivella pode ficar inelegível até 2026: julgamento será concluído na próxima quinta-feira pelo Tribunal Regional Eleitoral

Crivella já tem cinco votos contra si numa corte composta de sete desembargadores Um ato de campanha considerado ilegal verificado em 2018 pode custar caro ao prefeito do Rio. Em julgamento iniciado nesta segunda-feira (21), o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) formou maioria para condenar Marcelo Crivella, deixando-o inelegível até 2026. Interrompido com o pedido de vista do desembargador Vitor Marcelo Aranha Afonso Rodrigues, o julgamento será retomado na próxima quinta-feira. Marcelo Aranha alegou que precisa de mais tempo para se inteirar do processo.

Crivella está sendo julgado por abuso de poder político. Em 2018, durante a campanha de seu filho - Marcelo Hodge Crivella – a deputado federal, foi feito um evento com funcionários da Comlurb destinado a pedir apoio eleitoral. No processo o Ministério Público pede a inelegibilidade do prefeito, do filho e do então candidato a deputado estadual Alessandro Costa por oito anos contados a partir de 2018, além da aplicação de multa de R$ 106 mil.

De olho em vários municípios, além de condenação criminal, prefeito de Caxias aparece 11 vezes na lista dos gestores com contas irregulares

Washington - a direita - esteve na convenção do PSD de Porto Real e discursou em apoio a Alexandre Serfiotis - Foto: Reprodução/rede social Prefeito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Washington Reis (MDB) exerceu vários mandatos parlamentares, mas os moradores de Porto Real não se lembram de um só ato por parte dele como deputado estadual ou federal que foi, em favor desse pequeno município do Sul do estado do Rio de Janeiro. Entretanto, WR está de olho na cidade, onde fechou acordo de apoio a Alexandre Serfiotis, que teve o nome homologado em convenção pelo PSD para disputar a Prefeitura local.

Porto Real e vários outros municípios do interior e da Região Metropolitana estão no radar de Reis, um político com histórico de se meter na casa dos outros, segundo revelam várias lideranças políticas da Baixada.

Decretada a perda de mandato do deputado estadual Renato Cozzolino

Decisão foi por infidelidade partidária

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) decretou a perda do mandato eletivo do deputado estadual Renato Cozzolino (foto) por infidelidade partidária. A decisão é decorrente de petição ajuizada por Célia Cristina Amorim Silva Jordão, primeira suplente do Patriotas. Cozzolino ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília.

Ex-prefeita de Iguaba aponta “desespero dos adversários”

Em relação à matéria: “Depois de uma gestão marcada por denúncias de irregularidades ex-prefeita de Iguaba tenta retornar ao cargo: foi escolhida candidata pelo PP”, publicada hoje pelo elizeupires.com, a assessoria da ex-prefeita Grasiella Magalhães aponta "desespero dos adversários" e diz que seu afastamento do cargo não se deu por nenhuma irregularidade, o que não foi objeto da matéria. Em nenhum momento do texto, o site fala de sua saída da prefeitura, e muito menos atribui isso a irregularidades. A referida matéria reportou fatos, sustentados, inclusive, por documentos anexados.

A nível de esclarecimento, o elizeupires.com publica abaixo a manifestação da assessoria de Grasiella Magalhães.