Caxias: pagamento de setembro saiu, mas para menos da metade dos aposentados, apesar de tratar-se da Prefeitura mais rica da Baixada

Washington Reis administra o maior orçamento da Baixada, mas não vem pagando os servidores em dia O prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, continua atrasando o pagamento dos salários dos servidores, embora o município seja o mais rico da Baixada Fluminense. Os vencimentos de setembro ainda não saíram para toda a categoria e até o final do expediente de ontem (19), segundo informações do próprio Instituto de Previdência dos Servidores Públicos (IPMDC), apenas de 47,02% dos aposentados e pensionistas tinham recebido os proventos referentes ao nono mês de 2019.

Os primeiros a serem pagos – por conta dos repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) – os servidores da rede municipal de ensino começaram a receber ontem o salário de outubro, quando foram pagos 3.580 funcionários da Secretaria de Educação, pouco mais de 60% do efetivo do setor.

Apesar de experiências negativas acumuladas pelo município com esse tipo de gestão, Queimados vai contratar OS para administrar maternidade

A Prefeitura desapropriou o prédio da Bom Pastor e ficou com os equipamentos, mas não pagou por isto ainda. Mesmo assim gastou mais de R$ 3 milhões em obras Embora tivesse contratos com valores que passam de R$ 71 milhões, a Associação de Saúde Social Humanizada – Organização social escolhida pela Prefeitura de Queimados para gerir o Centro Especializado de Tratamento de Hipertensão e Diabetes (Cethid) – deixou muito a desejar na cidade, além de dívidas trabalhistas. Virou ré em processo de improbidade administrativa junto com o ex-prefeito Max Lemos, alvo de investigação no Tribunal de Contas do Estado e no Ministério Público, e só seis anos depois é que o governo resolveu intervir. A má-experiência, entretanto, parece não ter adiantado de nada, pois a Prefeitura pretende terceirizar a operacionalização do Hospital-Maternidade (que ainda não tem data para ser inaugurado), contratando uma nova instituição.

A informação foi dada pelo deputado estadual Max Lemos, ex-prefeito da cidade, durante entrevista ao vivo no Estúdio B, na qual, por um momento, falou como fosse ele o governante de Queimados, não o prefeito Carlos Vilela: "Estamos preparando a licitação para contratar uma OS ou uma empresa para administrar".

Previdência de Nilópolis cadastra servidores ativos. Prazo vai até o dia 29 de novembro e vale também para os dependentes

O Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Nilópolis (Previnil) lembra os segurados ativos a importância de comparecerem, até dia 29 de novembro, de segunda-feira às sextas-feiras, de 9h às 16h30, na sede do instituto que fica à Rua Professor Alfredo Gonçalves Figueira, nº 18, sala 201, no Centro de Nilópolis, munidos de documentos e para o recadastramento, assim como de dependentes e cônjuges. Esse chamamento vale para servidores ativos da Prefeitura, da Câmara de Vereadores e do próprio instituto.

Os documentos necessários e indispensáveis para o recadastramento são: carteira de identidade (original), CPF (Cadastro de Pessoa Física), PIS/PASEP, título de eleitor, comprovante de residência, certidão de nascimento ou casamento, contracheque atualizado, carteira de trabalho (CTPS) e carteira de motorista (habilitação) em caso de função que exija. Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone: (21) 3236-1900.

Prima de Garotinho é presa pela Lava Jato em operação que desmontou esquema de corrupção envolvendo ex-presidente do Paraguai

Alcione e a filha Myra foram presas na Zona Sul do Rio Prima do ex-governador Anthony Garotinho, a ex-deputada Alcione Athayde foi presa nesta terça-feira (19) na Operação Patrón, realizada pelo Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF), no Brasil e Paraguai. Ao todo foram cumpridos 20 mandados de prisão e 15 de buscas apreensões em endereços. Alcione foi presa na Zona Sul do Rio junto com a filha, Myra de Oliveira Athayde, namorada de Dario Messer, apontado pelo MPF como o doleiro dos doleiros.

A operação desta terça-feira é um desdobramento da Operação Câmbio, Desligo, que teve como foco o ramo paraguaio da organização do super doleiro. Messer, segundo o Ministério Público Federal, "comandou esquemas de lavagem de dinheiro, sonegação de impostos e evasão de divisas que movimentaram mais de US$ 1,6 bilhão em contas em 52 países e mais de 3.000 offshores".

Contratos milionários com empresas de informática não garantem transparência nas contas públicas de Japeri

Cesar fez três contratos milionários com empresas de informática, mas a transparência... Registrando dezenas de contratos e atas de registro de preços para fornecimentos em geral e prestação de serviços desde janeiro de 2017, a julgar pelo volume de dinheiro comprometido com empresas de informática, a Prefeitura de Japeri era para ser a mais transparente do estado do Rio de Janeiro, revelando todas as despesas feitas e a forma como elas foram contratadas, expondo os processos licitatórios de forma clara, bem como os valores pagos a cada firma com negócios com a municipalidade. Só que nada disto acontece, apesar das pressões do Tribunal de Contas do Estado, que já apontou várias irregularidades em contratos e licitações de Japeri.

Conforme já foi revelado na matéria Japeri: gastos com sistema de gestão podem chegar a R$ 11 milhões, o município mais pobre da Baixada Fluminense, detentor um dos piores índices de desenvolvimento humano do país,  optou por gastar alguns milhões de reais para implantar um sistema informatizado de gestão que, segundo gente do próprio governo, até agora não resultou em muita coisa, inclusive em relação ao Portal da Transparência, há dias fora do ar.

Câmara de Itatiaia já gastou mais de R$ 5 milhões com pessoal

R$ 929.579,18 com subsídios dos vereadores

"Vencimentos e vantagens fixas, indenizações ou restituições trabalhistas", é o máximo que a Câmara de Vereadores de Itatiaia expõe em seu Portal da Transparência sobre os gastos com pessoal, despesa que até a última sexta-feira (14) estava em R$ 5,3 milhões. Isto tudo ocorre quando a Casa informa que está disponibilizando o seu novo site, que "levará mais transparência e informação aos munícipes e a todos os interessados em acompanhar os trabalhos".

Delator da Operação Ponto Final entrega vereadores do Rio

Ex-presidente da Fetransport diz que a entidade gastava R$ 400 mil mensais com membros da casa

Os braços da Operação Ponto Final – desencadeada pelo Ministério Público Federal em 2017 – que já abraçaram empresários do setor de transportes, agentes políticos e até um promotor de Justiça, poderão alcançar ainda mais gente. Em sua delação o ex-presidente da Fetransport, Lélis Teixeira, segundo informou ontem o jornalista Lauro Jardim, de O Globo, contou que a entidade gastava cerca de R$ 400 mil mensais com pagamento de propinas à Câmara de Vereadores do Rio.

Promotor de Justiça é denunciado por esquema de corrupção montado por donos de empresas de ônibus no Rio

O ex-presidente do Detro, Rogério Onofre, foi um dos presos na Operação Ponto Final, deflagrada em 2017 Cinco pessoas, entre elas o promotor de Justiça Flávio Bonazza de Assis, foram denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro através da Subprocuradoria-geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos. O grupo, do qual apenas o promotor teve o nome divulgado pelo MP, é citado como envolvido em esquema de pagamento de propinas por empresas de transporte. A acusação, ajuizada no Órgão Especial do Tribunal de Justiça, é de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, práticas ocorridas entre junho de 2014 e março de 2016.

O processo 0073963-75.2019.8.19.0000 é resultado da Operação Ponto Final, através da qual o MP enquadrou empresários de ônibus, dirigentes da Fetranspor e agentes públicos pelos crimes de corrupção ativa e passiva, crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro.

Estado implanta Segurança Presente em Caxias

Programa funcionará com 149 agentes fixos

A base de  Caxias terá 149 agentes fixos e funcionará das 9h às 20h - Foto: Magá Jr  Depois de Nova Iguaçu chegou a vez do município de Duque de Caxias contar com o programa Segurança Presente. A base – instalada na Praça do Pacificador – foi inaugurada nesta quinta-feira (14) pelo governador Wilson Witzel. Segundo ele, ainda este mês, um novo núcleo entrará em operação na Barra da Tijuca, e em dezembro será a vez dos bairros de Vila Isabel e Grajaú. "Esta operação vai funcionar das 8h às 20h. Isso vai permitir que o comércio possa atuar com tranquilidade. A última base do programa foi instalada em Austin, em Nova Iguaçu. Esta é uma ação diferenciada", disse o governador.

Itaguaí: dívidas e falta de transparência chamam a atenção para a previdência dos servidores. Auditoria deve ser pedida ao Tribunal de Contas

Servidores se queixam de que a dívida da Prefeitura com o Itaprevi é alta. Reclamam ainda que não encontram informações claras no site oficial do instituto Quem acessa o site oficial da previdência dos servidores de Itaguaí (http://itaprevi.itaguai.rj.gov.br) buscando informações sobre a saúde financeira do órgão, perde seu tempo. Não encontra balancetes nem consegue saber o tamanho da dívida da Prefeitura com a instituição, débito acumulado com a retenção das contribuições patronal e dos segurados ao longo dos anos. Porém, quem faz a pesquisa no Sistema de Informações dos Regimes Públicos de Previdência Social (Cadprev) depara com uma situação no mínimo preocupante: o Itaprevi está com o Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) vencido desde o dia 26 de junho de 2016 (confira aqui), e existem cinco acordos de parcelamento de dívidas que passam de R$ 115 milhões, três deles com parcelas em atraso que passam do total de R$ 40 milhões (veja aqui).

Segundo os registros do Cadprev, os acordos 00952/2015 e 04415/2016 – nos valores de R$ 16.224,615,49 e R$ 21.832.124,72, respectivamente – foram repactuados, mas as parcelas em atraso superam o total da dívida negociada, chegando a R$ 39,7 milhões. Ainda segundo o Sistema de Informações dos Regimes Públicos de Previdência Social, o acordo 00802/2018, que foi proposto para que a Prefeitura pagasse ao Itaprevi R$ 14.726.760,37 em 200 vezes está sob análise, bem como o de número 00691/2019, no total de R$ 17.311.820,30.