Bairro vira foco de doenças em Nova Iguaçu

Cristiane Rodrigues não sabe mais a quem pedir ajuda

E administração municipal mão está nem aí

Moradores da Travessa Maurílio, no bairro Rancho Novo, em Nova Iguaçu, estão convivendo com um antigo problema de saneamento básico na região. É que uma ponte sobre a Rua Dona Eulália está obstruindo o fluxo d’água e transformou o que deveria ser um rio numa enorme piscina de esgoto. Os moradores dizem que não sabem mais a quem pedir socorro, já que a secretária de Obras, Carla Maria Lopes Neves, esteve no local mais de 10 vezes e prometeu uma solução, mas até hoje nada fez. Contam ainda que o prefeito Nelson Bornier esteve por lá em novembro do ano passado e também garantiu que o problema seria solucionado, mas já se passaram sete meses e a população continua convivendo com a proliferação de roedores e insetos, como o mosquito aedes aegypti, que já vitimou diversos moradores da região.

 

A promotora de vendas Cristiane Rodrigues, de 36 anos, foi uma das moradoras picadas pelo mosquito transmissor da dengue. Ela diz que para evitar nova contaminação gasta muito dinheiro com repelentes e spray mata mosquito. “Nós estamos largados as moscas, literalmente. As autoridades competentes já estiveram aqui, prometeram melhorias, mas até agora nada. A quem mais poderemos recorrer, se até o prefeito já veio aqui e não conseguiu determinar uma solução” questionou a moradora.

Ao percorrer a travessa é possível observar o medo dos moradores, que cobriram todas as janelas e portas com telas para evitar a entrada do mosquito. “Eu tive Chikungunya há alguns meses e acredito que é por causa dessa água parada aqui na porta de casa. Nós aqui em casa nos prevenimos e eliminamos todos os focos do mosquito. Mas nosso problema maior nem são os mosquitos. Quando chove muito, todo esse esgoto vem para dentro de nossa casa. Imagine a situação”, desabafou Carlos Alberto Gonçalves.

O aposentado Rones Rocha Dantas, 72, afirmou que o problema está tão agravado, que somente a limpeza não vai adiantar. “A equipe de limpeza já esteve aqui com máquinas e abriu ainda mais o rio. O que era um pequeno valão, se transformou num sumidouro, pois não tem para onde a água seguir. Se observar bem do outro lado da ponte, tem água parada nos dois lados. E ai, o que vamos fazer? Temos que conviver com essa vergonha até quanto?”, perguntou.

O pior é que além de não resolver o problema a Secretária de Obras transfere a responsabilidade, Em nota informou que “as margens do canal no trecho em questão foi completamente ocupadas por residências, o que, infelizmente, impossibilita a entrada de máquinas no local, dificultando assim a execução do serviço. Porém, visando à melhoria da situação atual, nos próximos dias, encaminharemos profissionais para avaliar as reais necessidades e analisar a possibilidade de providências”.

Comentários:

  1. Boa tarde, sabemos que é muito fácil pedir voto é prometer obras e projetos na época de eleição, contudo ,na realidade a vida nas cidades ficam cada vez mais difícil, é lixo no chão ,esgoto a céu aberto,asfalto esburacado e rios largados ,é muito fácil botar a culpa na população, sendo que para onde vão os recursos???temos que dar uma resposta nas urnas já!!!! Lembrando que as eleições para prefeito é no fim do ano !!!!não erre duas vezes!!!!

Deixe uma resposta para Vanderbergue Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.