Mesmo com R$ 7,5 bilhões Aluizio abandona obras

Aluizio pode reclamar de muita coisa. Menos de falta de dinheiro, pois Macaé tem menos de 250 mil moradores e em sua gestão o município já arrecadou mais de R$ 7,5 bilhão

Prefeito de Macaé parece ter se perdido no meio dos recursos financeiros

Pessimamente colocado no Ranking da Eficiência dos Municípios, perdendo até para cidades da região mais pobre do estado do Rio de Janeiro, a Baixada Fluminense, o município de Macaé não pode reclamar da falta de dinheiro, mas seus moradores têm muito a questionar, principalmente ao que se tem verificado nos setores de saúde e educação. Na semana passada, por exemplo, a Câmara de Vereadores decidiu convocar Antonio Pires, secretário municipal de Obras e Urbanismo, para explicar o abandono das obras de construção de duas escolas, uma no Parque da Cidade e outra no Novo Horizonte. Isto acontece em um governo que de janeiro de 2013 a 31 de agosto deste ano teve uma receita líquida consolidada de mais de R$ 7,5 bilhões para gerir uma cidade com menos de 250 mil habitantes. Imaginem o mesmo prefeito tendo que administrar São Gonçalo, por exemplo, que teve menos de R$ 4 bilhões no mesmo período para cuidar de 1,2 milhão de pessoas…

A ideia de chamar o secretário às falas partiu do vereador Marcel Silvano (PT), que apresentou o requerimento de convocação. “A situação dessas escolas já vem sendo debatida por esta Casa há tempos, mas tudo isso segue sem respostas. E o que vemos hoje é a cobrança dos moradores desses dois bairros importantes para Macaé, sem uma expectativa de futuro para os projetos que poderão se acabar com o tempo e com o abandono. O vereador Amaro (Luiz) trouxe essa questão novamente. E o vereador Guto Garcia, que tem uma relação umbilical com a Secretaria de Educação, disse que os projetos eram de responsabilidade da Secretaria de Obras. Portanto, eu proponho que o secretário da pasta seja convocado para nos dar essas explicações sobre o futuro dos esqueletos dessas escolas”, disse Marcel.

Na verdade, o que lideranças políticas e comunitárias têm assistido em Macaé é o emperramento de uma máquina administrativa, que sofre mais pela falta de um operador, já que os recursos existem, pois a receita anual do município representa o dobro do que cidades com até cinco vezes mais habitantes arrecadam. “Nós vivemos um colapso nos serviços prioritários a qualquer gestão pública: Saúde, Educação e Transporte. Hoje, temos escolas novas que foram inauguradas antes mesmo de ficarem prontas. No Lagomar, um prédio alugado por R$ 20 mil abriga crianças sem ter condições elétricas para suportar salas de aula. Será que o governo não tem sensibilidade de deixar alunos nesta situação?”,  questiona Amaro Luiz.

Em campanha pela reeleição, o prefeito Aluizio dos Santos Junior, o Dr. Aluizio, ainda não se pronunciou sobre o posicionamento dos vereadores.

Comentários:

  1. O povo não entendi que dr mentira tem que sair , se vc fez o que fez foi pra ajudar esse povo que a metade são ingratos, vc Amaro se sacrificou e esse povo não consegue entender o seu sacrigicio.
    eu admiro muito vc, vc é um exemplo e tinha que ser nosso prefeito.mais vc vai conceguir tirar ese prefeito atual que é o dr mentira tem que ter fé isso eu sei que vc tem muito.
    e eu torço muito pra vc chegar lá pois vc merece, e esse povo não entende. gosto muito do seu trabalho, da sua preocupação tem que entender que vc é do povo

Deixe uma resposta para Eliana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.