Com a ficha ainda mais suja

Ex-prefeito de Macaé cada vez mais distante da vida pública

A semana que terminou ontem foi péssima para o ex-prefeito de Macaé, Riverton Mussi, que pretende disputar uma cadeira de deputado estadual, mas, a exemplo do ex-prefeito de Rio das Ostras, Carlos Augusto Balthazar – que também tem condenação em corte colegiada -, dificilmente conseguirá registrar sua candidatura. Em decisão anunciada na última quinta-feira o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), condenou Riverton a devolver aos cofres públicos o valor de R$ 945.872,86, por ter, de forma irregular, ter assinado um termo de reconhecimento de dívida com a empresa 7 Construtora & Transportadora, no dia 7 de junho de 2011. Segundo o processo, o reconhecimento foi assinado para o pagamento parcelado da obra de recuperação emergencial e desobstrução do canal de Macaé-Campos.

Ainda na semana passada o Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou recurso impetrado pela defesa do ex-prefeito com a finalidade de suspender os efeitos de uma sentença da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, que o condenara por supostas fraudes em licitações. Riverton buscava uma liminar para tentar sair da lista dos “fichas sujas” e ficar livre para poder disputar as eleições deste ano. A sentença, que continua valendo, deixa o ex-prefeito inelegível por um período de três anos, que estará prescrito somente em 2016. Além dessa condenação Riverton está com bloqueio de bens e conta bancária e responde a outras ações de improbidade administrativa, no processo 20085116000603-7, por exemplo, ele é acusado de fraude numa licitação para compra de merenda escolar. 

Comentários:

  1. Não sei como o ex-prefeito de Rio das Ostras, Carlos Augusto Balthazar não foi preso pela Polícia Federal ainda, lamentável essa justiça brasileira.

Deixe uma resposta para Elcio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.