TJ mantém condenação do pastor Marcos Pereira

Em decisão unanime os desembargadores que compõe a 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro rejeitaram recurso impetrado pela defesa do pastor Marcos Pereira da Silva, fundador e líder da seita Assembleia de Deus dos Últimos Dias, condenado por estupro pelo juízo da 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, que o sentenciou a 15 anos de prisão. Os advogados do pastor vêm tentando, desde a condenação, em setembro de 2013, mudar a decisão judicial. De acordo com o inquérito que resultou no processo contra Marcos Pereira, ele estuprou uma fiel nas dependências do próprio templo, crime ocorrido no final de 2006.

Alvo de vários procedimentos investigativos, o pastor foi preso pela Policia Civil na noite de 8 de maio do ano passado, quando seguia da sede da igreja (localizada no bairro Éden, em São João de Meriti), para um apartamento de luxo na zona sul do Rio, avaliado em R$ 8 milhões, no qual, segundo foi denunciado, seriam feitas orgias sexuais. Em setembro do mesmo ano ele foi condenado. Antes do julgamento o áudio de uma escuta telefônica feita com autorização judicial revelou uma conversa picante entre Marcos Pereira – que é casado – e uma jovem que seria membro da seita.

Matérias relacionadas:

Pastor condenado por estupro quer eleger deputados

Agora é por crime ambiental

Fiéis do pastor Marcos vão responder por ameaças

Comentários:

  1. Todos estamos debaixo da Lei.No caso em questão, convenhamos , o Pastor ainda não foi julgado e, certamente, o será com mais rigor, pois, “conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”.

    1. Claro que ele foi julgado. O julgamento foi em setembro do ano passado e ele pegou 15 anos de cadeia. Ele recorreu e agora, como a matéria diz, foi recusada a apelação dele no TJ. Agora se você está falando no julgamento divino é outra coisa e ai a pena será maior.

  2. Amigo Henrique: só cabe recurso quem foi julgado.Mas, o assunto ganha maior contorno por se tratar de pastor.Caso pertencesse a qualquer outra denominação religiosa, evidentemente, a evidencia seria menor. Como somos todos iguais, será mais apenado num julgamento ” aquele que muito foi dado”

Deixe uma resposta para Antonio Paranhos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.