Vereador de Valença sai em defesa do indefensável

Naldo protestou contra noticias sobre condenação de ex-prefeito e autuação de ex-secretário de Saúde que, segundo o TCU, atestava recebimento de medicamentos não entregues

Para o vereador José Reinaldo Alves Bastos, o Naldo (PMDB), noticiar os fatos que lhe desagradam ou a seus aliados políticos, é maldade. Pelo menos é isso que sugere boa parte do discurso por ele feito na tribuna da Câmara de Vereadores de Valença durante a sessão da noite da última quarta-feira, quando – em defesa do ex-prefeito de Rio das Flores e Valença, Vicente Guedes e do ex-secretário de Saúde, Thiago José Gomes Faria – classificou como maldosas as matérias “Ex-prefeito de Rio das Flores pega três anos por fraude” e “Valença pagou por remédios que nunca recebeu”, veiculadas pelo elizeupires.com e reproduzidas no jornal “Tribuna da Região”, ignorando que Guedes foi condenado pela Justiça Federal e não por um jornal ou um site jornalístico, enquanto que Thiago foi enquadrado pela corte de contas que fiscaliza o uso de verbas federais.

Sem argumento para derrubar os fatos noticiados, Naldo levantou a voz para combater quem noticiou quando, na verdade, deveria se desculpar por não ter, como fiscal do povo, se antecipado à ação do Tribunal de Contas da União (TCU), que, ao auditar o gasto de R$ R$ 1.086 milhão de recurso federal enviado ao município para a compra de remédios, constatou que o ex-secretário e o ex-chefe do almoxarifado da Secretaria Municipal de Saúde, Bruno Nogueira de Oliveira, atestaram notas de recebimento de remédios em quantidades inferiores as “efetivamente compradas”. Naldo já exercia mandato de vereador em 2011, quando as compras desses medicamentos foram feitas junto às empresas Cruz Médica, Merriam-Farma, Difarmaco e Deenea Distribuidora. Talvez se ele cumprisse com a sua obrigação de fiscalizar, o TCU não precisaria ter deslocado uma equipe de Brasília para fazer uma tomada de contas especial na Secretaria de Saúde de Valença.

No caso de Vicente Guedes ele foi condenado pelo juiz José Luis Castro Rodriguez, da 1ª Vara Federal de Barra do Piraí, a três anos de reclusão, pelo crime de fraude em licitação. Guedes foi denunciado pelo Ministério Público Federal pelo envolvimento com a chamada Máfia dos Sanguessugas, um esquema de corrupção montado a partir da liberação de recursos do Ministério da Saúde, através de emendas parlamentares para a compra de ambulâncias.  A sentença foi proferida no dia 24 de junho no processo 0000622-07.2010.4.02.5119.

Em relação a Thiago José – que além de secretário de Saúde foi diretor do Fundo Municipal de Saúde – ele, juntamente com o ex-chefe do almoxarifado da secretaria, Bruno Nogueira de Oliveira, foi apontado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) como responsável por atestar notas de entrega de medicamentos comprados a preços superfaturados e entregues em quantidades menores que as adquiridas pela administração municipal. De acordo com o julgamento das contas feitas pelo TCU, os dois terão de devolver um total de R$ 118.126,40 ao FNS.

 

Matérias relacionadas:

Ex-prefeito de Rio das Flores pega três anos por fraude

Valença pagou por remédios que nunca recebeu

Comentários:

  1. O elizeupires.com é um espaço jornalístico e não um fake de rede social. Temos responsabilidade pelo que veiculamos. Para comentar essa matéria não é necessário atacar os personagens nela citados.

Deixe uma resposta para Jonas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.