TRE fecha mais três centros sociais em Caxias

Vereadora tem duas unidades. Uma delas é mais bem equipada que muitos hospitais. As instituições funcionavam para captação ilegal de votos. Donos agora serão processados e poderão perder mandatos se eleitos forem

Os fiscais do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) levaram um susto na manhã de ontem ao chegarem no bairro Bom Retiro, em Duque de Caxias. Lá depararam com uma mega estrutura de captação ilegal de votos montada pela vereadora Maria de Fátima Pereira de Oliveira, a Fatinha, candidata a deputada estadual pelo partido Solidariedade. Ela tem dois centros sociais no bairro e em um deles, o CÁS-FÁTIMA, os agentes foram surpreendidos com o alto nível de tecnologia dos equipamentos utilizados nas salas do local, que oferecia serviços de Fisioterapia, Odontologia, Clínica Geral, Pediatria, Ginecologia, Cursos de Informática e encaminhamento para exames em órgãos públicos. Foram apreendidos aparelhos de ultrassom, dezenas de pastas com documentação de atendimento, muitas delas contendo número de título de eleitor, zona e seção, computador, medicamentos, boa parte deles com a validade vencida.

 

Os dois centros foram interditados pela fiscalização, que fechou também, no bairro Santa Lúcia,  o Centro Social Fisioterapia do Povo,  ligado ao deputado estadual Marco Figueiredo, candidato a releição pelo PROS. Os dois políticos vão ser processados agora por abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágios, podendo ser cassados no caso de eleitos. A operação contra os esquemas de captação ilegal de votos conta com  sustentação de mandados de busca e  e apreensão expedidos pela Justiça e com o Grupo de Apoio à Promotoria (GAP) do Ministério Público. Na unidade menor comandada por Fatinha os fiscais encontraram farto material de campanha eleitoral dela em conjunto com o candidato a deputado federal Rodrigo Bethlem, além de caderno com marcação de exames e números de dezenas de títulos eleitorais. Já na unidade de Marco Figueiredo foram apreendidos documentos oficiais do Sistema Único de Saúde (SUS) e requisição de exames em documentos timbrados da Prefeitura de Duque de Caxias.

No CÁS-FATIMA os agentes foram informados de que a sala de Ginecologia é do deputado estadual Jorge Moreira Theodoro, o Dica, Nela trabalham fisioterapeutas e ginecologistas pagos pelo parlamentar. Nesta sala foram encontradas milhares de fichas da Associação Beneficente Adilson Moreira Theodoro, nome do pai do deputado, que será investigado pelo Ministério Público Eleitoral.

 

Matérias relacionadas:

Compra de votos começa inflacionada na Baixada

Justiça fecha centros sociais de políticos em Caxias

Comprador de votos reclama de “concorrência desleal” em Japeri

Ex-vereador de Magé terá de pagar R$ 127 mil por compra de votos

Plateia para Garotinho teria sido recrutada por R$ 30

Pobreza sustenta o mercado de compra e venda de votos na Baixada

Esquema de compra de votos já teria começado em Magé

Comentários:

  1. É evidente o desvirtuamento do papel do vereador ao avaliar o fato.Assistencialismo, mesmo fora do período eleitoral, não integra a agenda do vereador e sim fiscalizar e acompanhar no municipio a atuação do prefeito.A julgar pela noticia, vemos que o TRE já começou a trabalhar e bem.

Deixe uma resposta para Antonio Paranhos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.