Magé pede reforço no efetivo policial

O prefeito Nestor Vidal mostrou preocupação durante encontro com o tenente-coronel Ivan Araújo, comandante do 34º BPM

Com três comandantes diferentes em um período de menos de um ano, o 34º Batalhão da Polícia Militar continua não sem dar conta do patrulhamento da cidade, que voltou a ser assombrada com bandidos atirando as esmo em pleno centro de Magé. Ontem o prefeito Nestor Vidal solicitou oficialmente ao governo do estado, o reforço no policiamento do município, cuja população está apavorada com o recrudescimento da violência: no último final de semana um jovem foi morto na Rua João Valério e outros seis foram baleados no bairro Flecheiras.

“Desde o início de nossa gestão temos pautado pelo trabalho em parceria com as forças de segurança. A questão da segurança pública é um assunto que sempre nos preocupou. Pedi providências para o aumento do efetivo, para recompor o efetivo do batalhão, com o aumento também de viaturas para o policiamento em nossa cidade”, disse Nestor.

A tranquilidade dos moradores de Magé acabou com a implantação das unidades de polícia pacificadora no Rio. As UPPs desalojaram bandidos das favelas cariocas e grande parte das quadrilhas se transferiu para os municípios da Baixada Fluminense, “premiando” bairros de Magé e Piabetá. Cenas antes incomuns em Magé, bandidos desfilando nas ruas exibindo armamento pesado passaram a ser rotina nas comunidades como Lagoa e Mundo Novo, inclusive impondo toque de recolher.

Comentários:

  1. A segurança na Baixada foi alterada com o advento das UPPs no municipio do Rio de Janeiro.Como o efetivo policial não foi alterado,evidente se tornou o incremento da criminalidade.Voltamos à politica de segurança, tratado na recente campanha presidencial.Estamos vivendo agora as gravames de assuntos discutidos em campanha, não só de segurança, geração de energia, etc., haja folego para voltarmos aos problemas cronico e antigos.

  2. Eu pessoalmente procurei o prefeito Nestor Vidal e sugeri que a cidade implantasse um sistema chamado shotspotter, nas principais ruas e nos pontos com maior incidência de disparo de arma de fogo e mortes.
    O sistema é capaz de detectar disparos de armas de fogo dando a localização e o calibre da arma disparada a polícia que prontamente poderia enviar equipes ao local para checar o que está acontecendo. Se um marginal sabe que o disparo de uma arma levaria a polícia exatamente onde ele está ele certamente exitaria em atirar e isso consequentemente diminuiria assaltos e acertos de contas em nossas ruas.
    Não sou especialista em segurança, sou leigo, mas posso garantir que aumento de efetivo por sí só não diminuirá a criminalidade que nos assola.
    Pode ser caro, claro mas vale a pena tentar, não estou vendendo tampouco fazendo propaganda do sistema, mas vale a pena conferir:
    http://www.asibrasil.com.br/o-sistema-shotspotter.php

Deixe uma resposta para Homem Justo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.