Professores ganham um canal para troca de experiências

.

O espaço Mudando o Mundo é reservado para relatos de profissionais que mudam uma vida a partir das ações em sala de aula

Depois de passar por Casimiro de Abreu, no interior do estado do Rio de Janeiro, agora o projeto Muda Mundo oferece aos professores do ensino fundamental um canal para a troca de experiências. Com o novo site do projeto (www.mudamundo.com.br), os educadores têm a oportunidade de contar a sua história, compartilhar boas ideias e assim contribuir para um mundo melhor. O espaço “Mudando o Mundo” é reservado para relatos de professores que começaram a mudar o mundo a partir da sala de aula, além disso, o espaço também é destinado para aqueles que ainda buscam inspiração para mudar o mundo.

O Muda Mundo é desenvolvido pela Signi, empresa gaúcha focada em estratégias para responsabilidade social. O projeto apresenta às crianças conceitos e valores fundamentais à formação de cidadãos críticos e comprometidos com a transformação social tão necessária em nosso país – ética, cidadania, resgate de valores e respeito ao meio ambiente. Por meio de sugestões de atividades para serem desenvolvidas em sala de aula, a partir da leitura da história do menino João, o projeto contribui com o trabalho do professor, que é sensibilizado pelas oficinas que levam os conceitos desenvolvidos no livro.

O público infantil é motivado por um recurso lúdico e criativo, o teatro, que adapta os momentos do livro em esquetes que envolvem as crianças nas aventuras de João, seus amigos e familiares na mudança do mundo. Para completar, no livro, a história é apresentada na forma de roteiro teatral, o que facilita o trabalho de adaptação das histórias pelas crianças.

O projeto nasceu em 2006 e já percorreu 101 cidades, atingindo diretamente 59.824 crianças, 9.837 professores, com 4.221 mil escolas municipais e estaduais envolvidas. Mais de 259 mil exemplares do livro MudaMundo já foram doados para bibliotecas de escolas públicas.

Comentários:

  1. Desabafo
    Sou professora com muito orgulho, com muito amor, mas senti necessidade de fazer este desabafo. E não o faço só em meu nome, mas em nome de todos os profissionais da educação que foram ENGANADOS, PREJUDICADOS E HUMILHADOS DEPOIS DE UMA DETERMINAÇÃO DA PREFEITURA NESTE ÚLTIMO MÊS DE MAIO. Trabalhamos o mês todo contando até o dinheiro da passagem que estava no final e quando fomos receber o pagamento (suado) o nosso direito nos foi negado.
    Quero declarar aqui, que não vou compactuar com esse desrespeito, com esse pouco caso, que estão fazendo com profissional da educação.
    Em pleno séc. XXI querem fazer o professor trabalhar num SISTEMA DE SERVIDÃO, ou seja: trabalhar e não receber o que é seu direito pela lei.
    “Que país é esse? Que cidade é essa?” Onde as leis trabalhistas constitucionais não são cumpridas.
    Eu visto a camisa da minha escola, eu visto a camisa da educação, driblando as dificuldades, os desafios de cada dia (que são muitos) para levar um pouco de cultura, incent

Deixe uma resposta para anonimo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.