“Está tudo dentro da legalidade…”

O prefeito Sandro Matos diz que está tranquilo

Prefeito de Meriti diz que “o que importa é a documentação estar em dia, fornecimento feito e os serviços prestados”

Para o prefeito de São João de Meriti, Sandro Matos (PDT), “não há nenhum motivo de preocupação em relação aos contratos de fornecimento, obras e prestação de serviços firmados em sua gestão”. Apesar das denúncias de supostas irregularidades e do fato de algumas empresas não terem sido encontradas nos endereços nos quais estão registradas, Sandro diz que não teme nenhuma investigação porque ‘os documentos apresentados pelos vencedores das licitações estão corretos’. “Para mim é isso que importa. Se as certidões estão em dia e o que foi comprado entregue nos prazos e nas quantidades certas, não há problema algum. Se contratamos um serviço dentro do que a legislação exige e ele foi efetivamente prestado estou tranquilo”, afirmou.

Sandro Matos falou sobre o assunto depois de uma série de matérias veiculadas abordando contratos apontados como suspeitos, vários deles denunciados ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado. Sobre a GM Fonseca, por exemplo, empresa contratada para locar máquinas e caminhões caçambas, cujo proprietário confirmou que não teve recursos financeiros para manter o contrato e que só tem um caminhão, o prefeito afirmou que realmente teve dificuldades para pagar pela prestação dos serviços e que os equipamentos foram terceirizados pela empresa. Esse é um dos contratos que serão investigados pelo TCE, que quer saber o que a Prefeitura pagou e quantos terceirizados foram usados pela empresa vencedora da licitação.

“Fomos alvo de uma denúncia no Ministério Público Federal no caso da merenda escolar por razões políticas. Nesse caso houve até uma operação de busca para apreender documentos que já havíamos enviado ao Supremo Tribunal Federal. Isso nem prosperou porque conseguimos esclarecer as coisas”, completou o prefeito, afirmando ainda que todos os processos de licitação e os contratos firmados estão à disposição dos órgãos competentes para serem analisados.

Comentários:

  1. O pior é que ele está certo, Elizeu. Não cabe a ele checar endereço ou a situação financeira das empresas. Se a documentação está em dia e o serviço foi prestado não há o que questionar.

Deixe uma resposta para Osmar Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.