Coisas dos tempos de ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’

Os extremistas jamais vão falar sobre isso, mas no período da ditadura militar, o cidadão que saísse às ruas sem levar no bolso a carteira de trabalho assinada era detido e autuado por vadiagem; a inflação chegava a 80% ao mês, faltava alimentos nas prateleiras dos supermercados e havia racionamento de gasolina. Criticar o governo? Nem pensar! Isso era crime grave pois – assim como os jornais não podiam noticiar escândalos, muito menos denunciar a truculência e os torturadores que povoavam os porões dos quartéis – as manifestações públicas eram proibidas. Os militares controlavam tudo com mão de ferro. Omissos, os integrantes do Ministério Público e do Poder Judiciário não davam um pio, pois se borravam de medo dos generais. Era assim nos tempos do “Brasil, ame-o ou deixe-o”, os calabouços, fuzis e baionetas…

Creio que nada disso importa à militância que aplaude os Bolsonaros da vida e defende uma intervenção militar. Ignoram que se os militares estivessem no poder, hoje eles não saberiam nem o que é rede social, pois numa ditadura é proibido até pensar, quando mais expressar opinião contrária ao regime. Quem se lembra daquela propaganda ufanista que soava mais como ameaça do que outra coisa? O slogan ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ era estampado em todos os lugares, até nas escolas. Era o mesmo que dizer: “Não concorda com o regime? Então caia fora”.

Leio uma matéria na qual um general de pijama faz ameaça: diz que se os ministros do Supremo Tribunal Federal deixarem o ex-presidente livre para disputar as eleições  e ele sair vitorioso nas urnas haverá um banho de sangue. Veja só quanta sandice. O cara acha que está com essa bola toda e que sua vontade pessoal tem de prevalecer sobre as instituições. Pensa que estamos vivendo no tempo em que se amarrava cachorro com linguiça, quando o grito de um homem fardado era suficiente para esvaziar uma cidade inteira.

Entendo que uma vez condenado o ex-presidente ou qualquer outra pessoa tem mesmo de ir para a cadeia. Se tiver direito a recurso que aguarde o julgamento na prisão. É assim que tem que ser, mas por decisão isenta da Justiça e não porque um general quer que seja. Entendo ainda que não há solução fora da democracia, pois, gostem ou não os linhas-dura, a força maior está na vontade do povo quando expressada, sem pressões, na urnas. Querem mostrar força? Ótimo! Passem a cuidar melhor das fronteiras para que armas e drogas não continuem entrando no país às toneladas, nas barbas de machões que como esse general, que acham que podem resolver os problemas do Brasil na bala.

Comentários:

  1. Nada mudou, da mesma forma que o General e cia não sabia dos supapos nos comunistas feitos pelo DOI CODI, Lula, Dilma e cia não sabiam da corrupção na Petrobras. Esta atitude desse general foi pessoal, o exercito cagou pra ele, da mesma forma quando o Senador Lindberg chamou o povo pra luta armada caso o acontecimento da prisão do Lula, a esquerda não acompanhou a intenção.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.