Sobre uma ameaça iminente

Sou do tempo em que os integrantes do Corpo de Bombeiros eram chamados de “bravos soldados do fogo”. Eram muito respeitados pelos adultos e idolatrados pelas crianças. Nos meus dias de moleque travesso dez entre dez meninos queriam ser bombeiro quando crescessem. Isso foi há muito tempo, pois como a classe política adora estragar tudo o que é bom, apareceu um desses deputados (o projeto de lei apresentado pelo deputado Emir Laranjeiras foi aprovado em 1991) e tratou de inventar uma lei instituindo o porte de arma para nos nossos “soldados do fogo”. Deu no que deu: com uma pistola na cintura muitos bombeiros resolveram sair fazendo besteiras por aí…

De acordo com dados da Secretaria de Segurança, até 25% da tropa do Corpo de Bombeiros podem estar envolvidos em milícias. Esse percentual foi apontado pela primeira vez em 2008 pelo secretário José Mariano Beltrame, que chegou a propor o fim do porte de arma para eles. No noticiário policial com frequência lemos sobre o envolvimento de bombeiros com o crime organizado e pistolagem. Não fosse o tal porte de arma talvez não existissem os Cristiano Girão da vida e outros milicianos, que fizeram do trabalho no Corpo de Bombeiros um mero “bico”. Toco no assunto porque alguns prefeitos, levados por coronéis de pijama, atualmente ocupando cargos de secretário de Segurança de não sei o que, estão pretendendo armar os guardas municipais. Imaginem essa turma “trepada” na rua…

Entendo que é necessário agir antes que essa ideia de jerico seja concretizada. É preciso dizer a esses oficiais presenteados com cargos de secretário de Segurança nas cidades fluminenses, que militarizar uma corporação que foi criada para cuidar do patrimônio público, tomar conta das pracinhas, escolas e postos médicos, é uma insedatez. Confundido guardas municipais com PMs, esses “comandantes” trataram de por uma farda nos agentes, deram a eles um cassetete e um par de algemas, como se esses tivessem a atribuição de prender alguém. Depois lhes entregaram um talão de multas e os mandaram multar adoidado. Agora querem armar suas tropas particulares. Então vai ser um “Deus nos acuda…”

Armar esses agentes, em minha opinião, é estragar as guardas municipais que foram criadas com a melhor das intenções, assim como fizeram com o Corpo de Bombeiros. E vocês, o que pensam disso?

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.