Consórcio de Saúde da Baixada se movimenta contra a crise

Nestor Vidal (centro) foi eleito para presidir o consórcio e garantir a abertura da UPA de Seropédica está na agenda do novo presidente

Com novo presidente, Cisbaf vai buscar o que é devido para manter a rede de atendimento médico da região funcionando

O município de Magé é um dos poucos no estado que não fechou unidades de atendimento médico por conta da crise, embora esteja recebendo repasses a menos e praticamente arcando sozinho com o custeio da Unidade de Pronto de Atendimento de Piabetá, devido ao atraso nos repasses. Em São João de Meriti, Belford Roxo e Mesquita os prefeitos Sandro Matos, Dennis Dauttman e Gelsinho Guerreiro estão contando centavos, enquanto que em Duque de Caxias, Nilópolis e Nova Iguaçu a saúde parece doente, acometida pelos males da falta de recursos. Essa é a realidade que o prefeito mageense, Nestor Vidal, terá de enfrentar a partir de janeiro quando, de fato, assumirá a presidência do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Baixada Fluminense (Cisbaf), em substituição a Nelson Bornier, prefeito de Nova Iguaçu. “O custeio das UPAs está pesando bastante nas contas dos municípios, sem contar a redução nos repasses do Ministério da Saúde e do governo estadual”, pontua Nestor Vidal.

Durante a semana o fechamento do Hospital da Mulher para novas internações pegou o prefeito de São João de Meriti de surpresa. Sandro Matos só soube do fechamento do ambulatório horas depois. Em Belford Roxo a falta de dinheiro para os salários afeta em cheio o Hospital Infantil, problemas que o Cisbaf vai ter de ajudar a resolver e o novo presidente tem plena consciência disso. “Vamos procurar o ministro Marcelo Castro (Saúde) e o secretário estadual de Saúde (Luiz Antonio Teixeira Junior assume em janeiro) para definir as parcerias que já ajustamos com os prefeitos da região. O setor está fragmentado por causa da falta de dinheiro e temos de debater isso com o ministro, pois a Baixada e os seus projetos não podem ser abandonados mais uma vez”, concluiu Nestor Vidal.

Um dos desafios do Cisbaf será garantir o funcionamento da UPA de Seropédica, que está pronta e equipada desde janeiro, mas ainda não entrou em funcionamento por falta de recursos para a manutenção e os salários das equipes de atendimento.  A unida precisa de R$ 1,5 milhão por mês para começar a funcionar e existe a previsão de inauguração para janeiro, mas a fonte de custeio ainda não está definida.

 

Matérias relacionadas:

Crise provoca caos na saúde da Baixada Fluminense

Direção diz que o Hospital da Mulher só vai atender pacientes já internadas e os casos classificados como emergência

Hospital da Mulher foi fechado hoje em Meriti

Comentários:

  1. Esta crise tem nome e se chama incompetência. Não há e nunca houve prioridade para nossos governantes e é por isso que a saúde está da maneira que está. Falta de planejamento puro!

Deixe uma resposta para Maurício Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.