Banditismo e política se misturam em Itaboraí

Prefeito e vereador estão sendo investigados por fraude e ameaça

Há pouco mais de dez meses no cargo, o prefeito de Itaboraí, Helil Car- dozo (PMDB) vem sendo alvo de várias denúncias de irregularidades, dando conta de licitações dirigidas e contratos superfaturados, mas o que mais o preocupa no momento, revela, um membro do governo, é a denúncia de uma fraude eleitoral que acabou por tirar a vida do empresário Itamar da Silva Júnior, dono de uma empresa de telecomunicações, assassinado depois de ameaçar revelar o esquema que teria beneficiado Helil, montado, se- gundo foi apurado pelas autoridades, por Sergio Reis de Oliveira Júnior, que também estaria envolvido na eliminação de Itamar.

Em situação delicada está também um aliado de primeira hora do prefeito, o vereador Lucas Borges (PMDB), acusado de mandar matar um adversário que o estaria chantageando, o policial militar Renato Garcia da Silva, hoje sob proteção especial. Uma gravação em áudio mostra Lucas conversando com o ex-policial civil Marcelo Tinoco de Carvalho, que seria o agenciador do “serviço”. O áudio, ao qual o elizeupires.com teve acesso, já foi entregue às autoridades para ser periciado. Lucas nega ter encomendado o crime e também alega ter recebido ameaça.

A fraude que teria favorecido o prefeito foi o envio – durante a campanha eleitoral do ano passado – de cerca de 100 mil mensagens de voz e textos via telefones fixo e celular, feito pela empresa de Itamar, veiculando a notícia falsa de que o então prefeito, Sergio Soares – candidato à reeleição – havia sido impugnado pela Justiça Eleitoral. O serviço, que teria sido contratado pela coordenação de campanha de Helil Cardozo, não foi pago e Itamar teria ameaçado contar tudo ao Ministério Público caso não recebesse a dívida.  Itamar não chegou a receber o dinheiro e nem teve tempo de cumprir a ameaça, pois foi sequestrado e morto a tiros no dia 11 de janeiro. O crime já foi esclarecido pela Polícia, que prendeu o empresário Cláudio Moreira Znidarcic, sócio de Itamar, apontado como mandante, tendo encomendado a

Em setembro do ano passado o juiz da 151ª Zona Eleitoral, Marcelo Villas chegou a afirmar que a disputa eleitoral resultou na formação de currais de candidatos apoiados por traficantes, principalmente nas comunidades da Reta, Rua 100 e Ampliação, com moradores coagidos a votar em certos candidatos e com alguns políticos proibidos de pedir votos nessas três comunidades.

Matérias relacionadas:

Jogo sujo nas licitações de Itaboraí

Prefeito de Itaboraí paga mais caro para cumprir acordo de campanha

Prefeito de Itaboraí busca “jeitinho” para licitação suspeita

Prefeito se cala sobre licitação suspeita

Licitação sob suspeita em Itaboraí

Um poder caro e supérfluo

Gastos da Câmara de Itaboraí ficam na caixa-preta

Comentários:

  1. A morte do Itamar foi uma grande covardia. É incrível, mas a nossa polícia passou a ser fornecedora de mão de obra barata para essas barbaridades. Infelizmente, por algum dinheiro, sempre há de ter um PM disposto a matar. A vida nada vale para essa escória.

Deixe uma resposta para Antonio Sem Medo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.