Contratos para fornecimento de combustíveis firmados pela Prefeitura de Paulo de Frontin somam R$ 6,4 milhões, mais que o dobro pago pela administração anterior as fornecedores diferentes

Em março de 2017, mesmo sem nenhum contrato firmado, o prefeito de Paulo de Frontin, Jauldo Balthazar Neto (foto), autorizou o pagamento de R$171.895,73 em favor do posto de combustíveis Farol do Chafre, no qual os carros usados na campanha dele foram abastecidos. Essas informações são do Ministério Público, que ontem (21) realizou uma operação para cumprir mandados de busca e apreensão, tendo como alvos o prefeito e seu irmão, o vereador Kaio José Balthazar Ferreira (presidente da Câmara Municipal), além do empresário Jorge Luiz Pinelli da Silva e seus sócios.

Ao todo o sistema da Prefeitura mostra extratos de contratos para fornecimentos de combustíveis no total de R$ 6,4 milhões, um deles firmado sem licitação, o que gerou ação da Promotoria de Tutela Coletiva, núcleo de vassouras.

O contrato que resultou na operação de ontem foi firmado sem licitação em 2017, com valor global de valor de R$1.081.400,00 e duração de 12 meses. Segundo o MP, um estudo do Grupo de Apoio Técnico Especializado (GATE/MPRJ) “comprovou superfaturamento superior a R$ 70 mil nessa operação, em razão de os preços pagos pelo município estarem acima da média praticada por outros fornecedores”. Depois desse contrato apareceram no sistema um extrato de R$ 1.255.560,00, datado de 7 de junho de 2018 e outro de R$ 1.750.280,00, de 17 de junho de 2019. Já no dia 10 de junho deste ano foram publicados os extratos de contrato 160, 161 e 162, que somam R$ 2.388.400,00, o que pode ser conferido aqui.

Gasto menor até 2016 – O sistema da Prefeitura não disponibiliza a íntegra dos contratos firmados pelo prefeito Jauldo Balthazar Neto, mas uma conferida nos pagamentos feitos pelo município a partir de 2013 é suficiente para constatar que os gastos com combustíveis terão mais que triplicado na administração atual se os contratos firmados foram integralmente executados.

Pelo que está no sistema da Prefeito, os postos Alto da Serra e Itacorumbá, fornecedores de combustíveis na administração anterior, receberam juntos menos de R$ 2 milhões. Foram R$ 449.771,50 em 2013, R$ 591.871,81 em 2014, R$ 415.321,88 no ano seguinte e R$ 482.648,02 em 2016 (veja aqui).

O  espaço está aberto para manifestação do prefeito Jauldo Balthazar Neto.

Matérias relacionadas:

Prefeito de Paulo de Frontin é alvo de operação do MP por fraude na compra de combustíveis: gastos passam de R$ 3 milhões

Prefeitura de Paulo de Frontin mais que dobra os gastos com combustíveis, mas não revela quantos litros consome sua frota

Comentários:

Deixe uma resposta para Cassia Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.