Por fraude nas eleições de 2016, ex-vereador de Queimados é condenado a 20 anos e a perda do cargo de policial militar

Policial Militar, Adriano teve a perda da função decretada

O juiz da 138ª Zona Eleitoral de Queimados, Luís Gustavo Vasques, condenou o ex-vereador e policial militar Adriano Morie (PTB) a 20 anos e cinco dias de prisão, por ter liderado um esquema de fraude nas eleições de 2016, com membros do grupo dele votando com documentação falsa. No mesmo processo o funcionário do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Mario Cesar Pereira Gomes foi condenado a 17 anos e teve decretada a perda da função pública. Mario foi denunciado por criar eleitores fantasmas com uso de documentos falsos. Por conta disso Queimados passou por uma varredura a partir da biometria, o que cancelou mais de 40 mil títulos de eleitores.

O esquema foi descoberto por volta das 12h30 do dia 2 de outubro de 2016 por agentes da 55ª DP, que abordaram um carro no qual estavam três cabos eleitorais de Adriano – Ramon Rodrigo Gonçalves, Marcelo da Silva Ribeiro e Wallace Machado Oliveira – foram flagrados com carteiras de identidade e títulos de eleitor falsificados, documentos usados por eles para votar em Morie. Os cabos eleitorais também foram condenados, recebendo pena de 15 anos e seis meses de reclusão.

O grupo foi denunciado pelo Ministério Público associação fraudulenta, com uso de documentos falsos. De acordo com a denúncia ajuizada pelo MP, Mario César, a pedido de Morie, falsificou 95 carteiras de identidade, usando inclusive a própria foto e dos outros três acusado. Ele, Ramon Rodrigo Ferreira Gonçalves, Marcelo da Silva Ribeiro e Wallace Machado Oliveira usaram os documentos em nome de eleitores regularmente registrados no TRE e votaram em Adriano.

Matérias relacionadas:

Denúncia de fraude pode derrubar vereador em Queimados

Compra de votos suspende diploma de vereador em Queimados

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.