Prefeitura de Itaboraí contrata construtora para preparar merenda

Empresa ainda fornece funcionários para apoio à gestão escolar

● Elizeu Pires

Aberta em 2013 no município de Maricá, tendo como atividade principal a construção de edifícios, a empresa Land Serviços e Engenharia firmou dois contratos com a Prefeitura de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, com objetos bem distintos de sua especialidade e por eles deverá receber R$ 11,1 milhões até novembro deste ano. Os contratos 01 e 03 foram feitos sem licitação através do Fundo Municipal de Educação, com validade de 180 dias.

O primeiro contrato entre a empresa e a Prefeitura de Itaboraí foi assinado no dia 7 de maio de 2021, com valor global de R$ 6.166.346,64, tendo como finalidade o apoio à gestão escolar, mais precisamente a disponibilização de funcionários terceirizados às unidades de ensino.

O segundo, firmado no dia 13 do mesmo mês, é mais distante ainda da especialidade da Land Engenharia. Por R$ 4.964.976,66, a empresa ficou encarregada do preparo da merenda escolar, nada a ver com a principal razão de existir da firma, ou seja, sua atividade econômica principal.

A Land Serviços e Engenharia foi representada na assinatura dos contratos pelo empresário Alessandro Carvalho de Miranda, o Alê – citado em algumas investigações como a da Máfia dos Sanguessugas, por exemplo – , que passou a ser o queridinho do governo estadual na gestão do governador Claudio Castro e já obteve – com o estado e municípios – cerca de R$ 500 milhões em contratos em pouco, boa parte deles através da Onix Serviços, uma das várias sociedades empresárias de Alê.

Manifestação da empresa – A propósito desta matéria a DS Comunicação, que presta serviços de assessoria de assessoria de imprensa a empresa contratada esclareceu o seguinte:

“1) A atividade de “locação de mão de obra temporária“ é umas das previstas no CNAI da empresa, no seu contrato social, e hoje se constituiu numa das principais atuações da mesma. 

2) Diferentemente do que diz a nota, o empresário Alessandro Carvalho de Miranda jamais, em qualquer tempo,  esteve envolvido na chamada Máfia dos Sanguessugas. Ele nunca fez  parte da referida ação, nem mesmo na fase da investigação, para a qual sequer chamado a ser ouvido.

O que existiu foi uma matéria caluniosa, com ilações falsas,  publicada em 2006, que infelizmente tem servido de base, devido à busca Google,  para recentes reportagens, igualmente caluniosas, como é o caso agora.

3) Os dois contratos citados pelo blog estão inteiramente dentro da legalidade e foram vencidos com base no menor preço cotado”. 

*Matéria atualizada às 13h15 do dia 4 de outubro de 2021 para acréscimo de informação.

Matérias relacionadas:

Obra de quase R$ 3 milhões em vez de solução vira problema em Araruama por causa de desatenção da empreiteira contratada

MP abre mais um inquérito contra Quaquá

Programa de urbanismo tem custo camuflado em Maricá

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.