Ponte Magé-Caxias: Será que dessa vez sai?

Perigo de acidentes deve tirar do papel o projeto da estrada RJ-103

Incêndio em Santos desengaveta projeto, pois a estrada RJ-103 é vista também como rota de fuga em caso de possíveis acidentes na base petroquímica de Campos Elíseos

Paralisado por causa da instalação de dutos da Petrobrás na área onde seria construída a ponte que ligaria Magé a Duque de Caxias, pela localidade de Mauá, o projeto da estrada RJ-103 voltou a ser discutido ontem e o edital será refeito pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para incluir uma nova extensão, uma vez que a ponte terá de ser construída em outro local. A obra, que deveria ter sido iniciada em janeiro de 2013, voltou a ser assunto na pauta do governo estadual por conta do incêndio que destruiu vários tanques de combustíveis em Santos, no litoral paulista. O acidente chamou a atenção para a base industrial de Campos Elíseos, em Duque de Caxias, que, segundo especialistas, reúne condições muito favoráveis para incêndio semelhante. Uma inspeção feita por vários órgãos estaduais nas empresas do setor petroquímico instaladas na localidade, comprovou o perigo iminente e apontou para a necessidade de se criar uma rota de fuga, sendo a RJ-103 indicada como solução.

Se para os milhares de trabalhadores das empresas de Campos Elíseos a estrada seria uma via de socorro, para os mageenses seria a redenção, pois transformaria a localidade de Mauá em grande fonte de emprego, renda e ainda serviria para livrar o município do pedágio cobrado pela Concessionária Rio Teresópolis (CRT). A RJ-103 será a menor estrada do Rio de Janeiro, com uma extensão de apenas cinco quilômetros, sendo a ponte a parte mais complexa da obra. Em abril de 2013 o então diretor de Operação e Conservação Metropolitana do DER, Aécio Castro da Rocha, disse que a obra não foi iniciada naquele ano porque técnicos do órgão terim de apontar alternativas, pois uma empresa que produz peças para a indústria naval será instalada no entorno da Baia de Guanabara e vai utilizar o Rio Estrela para escoar sua produção e receber materiais, mas o projeto ficou parado por quase dois anos.

A retomada da RJ-103 já foi confirmada pelo engenheiro Ângelo Monteiro, presidente do DER, que anunciou alteração do projeto e do edital, para que o processo licitatório seja levado a apreciação do Tribunal de Contas do Estado. A via, apresentada como de grande importância para o desenvolvimento econômico do quinto distrito de Magé, foi criada a partir de um projeto de lei do então deputado estadual Renato da Costa Mello Junior, o Junior do Posto, aprovado na Assembleia Legislativa no dia 29 de novembro de 2000.

Matérias relacionadas:

Ponte de Mauá está sendo reestudada

Comentários:

  1. No tocante a obras públicas, em qualquer nivel, elas podem ser definidas por programadas, emergenciais ou previstas.Nessa, ficamos na expectativa da normalidade de repasses, defasados ainda por entraves na administração federal.O clima não é de entusiasmo ou otimismo.

  2. A ponte é muito bem vinda, porém, se acompanhada de investimentos em infraestrutura para o distrito de Mauá.

    Se não acontecer nada nos setores de habitação, de saúde, de educação e principalmente em segurança e no trânsito, esta ponte não é bem vinda.

Envie seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.